O que precisamos para a nova vida
02/06/2020

O que precisamos para a nova vida

Pregador:
Series:

Portanto, fomos sepultados com ele na morte por meio do  batismo, a fim de que, assim como Cristo foi ressuscitado dos mortos mediante a glória do Pai, também nós vivamos uma vida nova. (Rm 6.4).

Quando pela fé nos identificamos com Cristo através de sua morte, sepultamento e ressurreição, começamos a viver uma nova vida. Isso significa que estamos libertos do poder do pecado (Rm 6.6,7) e agora consagramos nossa vida ao Senhor como instrumentos de justiça. (Rm 6.19). Meditaremos em alguns pontos dos quais a palavra do Senhor nos ensina de forma prática a viver a nova vida.

1 – Saber. (Rm 6.1-10).
  1. Destacamos os termos sabendo, (Rm 6.6), ignorais (v.3) e sabedores (v.9).
  2. Esses termos indicam que Paulo desejava que compreendêssemos uma doutrina básica.
  3. A vida cristã depende do aprendizado cristão; o dever é sempre fundamentado na doutrina.
  4. Ao manter um cristão na ignorância, Satanás o impede de ter qualquer poder. Para isso precisamos saber o que a palavra do Senhor afirma. (Rm 6.6).
  5. Primeiramente precisamos saber, tomar conhecimento da verdade, conhecer. Isso envolve a mente.
  6. Transformai-vos pela renovação da vossa mente. A palavra do Senhor tem este poder.
  7. Precisamos ler, meditar, estudar e guardá-la em nossa mente. Assim precisamos saber que:
  8. O nosso velho homem foi crucificado com Jesus. Este é um fato real. Jesus morreu na cruz por nossos pecados. Nós estávamos lá com Jesus. Ele representava toda a humanidade perdida.  (Rm 5.19).
  9. Propósito: Para que o corpo do pecado seja destruído e não mais sejamos escravos do pecado, isto é, sejamos santificados.. (Rm 6.22).
2 – Considerar. (Rm 6.11).
  1. Considerar significa levar em conta, calcular, estimar. Ou seja, aquilo que Deus diz em sua palavra vale para as nossas vidas.
  2. Paulo não diz aos seus leitores para se sentirem como se estivessem mortos para o pecado, nem mesmo para entenderem esse fato plenamente, mas sim para agirem de acordo com a palavra de Deus e se apropriarem desse fato para a sua vida.
  3. A consideração é uma questão de fé que resulta em ação. Deus não ordena que morramos para o pecado.
  4. Ele diz que estamos mortos para o pecado e vivos para Deus e ordena que assim vivemos.
  5. O fato continuará sendo válido mesmo que não obedeçamos.
  6. A primeira instrução de Paulo “Saber”, refere-se a mente,
  7. já “Considerar” se concentra no coração e a terceira que veremos no próximo tópico se refere à vontade.
3 – Oferecer. (Rm 6.12-23).
  1. O verbo oferecer é usado cinco vezes nesta seção e significa colocar à disposição, apresentar, oferecer como sacrifício.
  2. De acordo com Romanos 12.1, o corpo do cristão deve ser apresentado ao Senhor como um sacrifício vivo para a glória de Deus.
  3. Como nos entregar? Trata-se de um ato de volição com base no conhecimento que temos daquilo que Cristo fez por nós.
  4. É um ato inteligente, não uma decisão impulsiva baseada na emoção.
  5. É preciso que o cristão realize uma entrega decisiva e completa de seu corpo a Jesus. Porque o Senhor deseja que lhe entreguemos nosso corpo?
  6. Em primeiro lugar porque o nosso corpo é templo do Espírito Santo (1Co 6.19).
  7. Também nosso corpo é instrumento e uma arma nas mãos de Deus. (Rm 6.13).
  8. Por que nos entregar? (Rm 6.14-23). O motivo para a nossa entrega pode ser resumido em três palavras: Graça, liberdade e frutos.
  9. Graça (Rm 6.14,15). É por causa da graça de Deus que nós nos oferecemos a ele. O fato de sermos salvos pela graça não serve de desculpas para pecarmos; antes nos dá um motivo para obedecer. (1 Cor 15.56). Uma vez que não estamos mais debaixo da Lei, e sim da graça, o pecado perde seu poder sobre nossas vidas.
  10. Liberdade (Rm 6.16-20). A ilustração do servo e do escravo é clara. Aquilo a que nós entregamos torna-se nosso Senhor. Antes éramos escravos do pecado, agora salvos, somos servos de Cristo. (Rm 6.19).
  11. Frutos (Rm 6.21-23). Se servimos a um senhor, podemos esperar receber um salário. O pecado paga um salário, a morte. Deus também paga um salário, a santidade e a vida eterna. Na antiga vida produzíamos frutos que nos envergonhavam. Na nova vida em Cristo, produzimos frutos que glorificam a Deus e que nos alegram.

Devemos dar ouvidos a estas três instruções a cada dia. Devemos saber que fomos crucificados com Cristo e que estamos mortos para o pecado. Devemos considerar este fato como verdade para nossa vida. E devemos oferecer nosso corpo ao Senhor para ser usado para a sua glória e serviço. Agora que sabemos destas verdades, vamos considerá-las verdadeiras em nossa vida e nos entregar ao Senhor. Que o Senhor nos abençoe. Amém.

Sua opinião sobre este artigo é muito interessante! Escreva:

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.