familia elton2004

Missionário Elton Melo assume IBI Pato Branco

familia elton2004Com a presença do Pr. Eliéser Corrêa de Souza, presidente da CIBIPAR, tomou posse no dia 22/12/2004 o Missionário Elton Melo, vindo de Londrina. Formado em economia e pós-graduado em economia empresarial, o missionário também tem formação teológica pela Faculdade Teológica Sul Americana, onde concluiu a graduação de bacharel em 2003. Entre os desafios, o maior deles é o de consolidar a presença batista independente na cidade, cujo trabalho foi iniciado em 1997 pelo pastor Laerte Pereira. O Missionário Elton Batista de Melo é casado com Ionice Silva Melo e tem dois Filhos: Adriano e André. A foto ao lado, é a oficial de missões.

Dons espirituais

A Igreja é um corpo que necessita da atuação eficaz dos seus membros. Todos devem ajudar de acordo com os dons que o Senhor liberou de maneira específica a cada um, para que o Corpo possa funcionar corretamente. A aplicação coerente da diversidade dos dons que é dada por um só Espírito, faz com que a Igreja seja rica e abundante na graça e no poder de Deus. É dessa forma que a Igreja torna-se apta a cumprir o seu papel, dado pelo Senhor Jesus Cristo, porque os seus membros não são apenas meros expectadores, mas participantes ativos da obra de Deus. Trata-se da constituição inegável do que Cristo chama de Sal da terra e Luz do mundo. E é importante que o cristão já comece a desenvolver este papel ainda na juventude. É neste dia a dia saudável na igreja, com profunda cooperação, que nascem grandes líderes.

O apóstolo Paulo, por exemplo, exorta a Igreja para que não seja ignorante nesta questão. “Acerca dos dons espirituais, não quero, irmãos, que sejais ignorantes. Vós sabeis que éreis gentios, levados aos ídolos mudos (…) a manifestação do Espírito é dada a cada um para o que for útil. Porque a um, pelo Espírito, é dada a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência; e a outro, pelo mesmo Espírito, a fé; e a outro, pelo mesmo Espírito, os dons de curar”. (1Coríntios12.1,7-9).

Paulo deixa claro que a unidade é atingida pelo Espírito, que distribui os dons de maneira correta. Cabe, portanto, aos membros aplicá-los da melhor forma possível. “Porque assim como em um corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma operação, assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em Cristo, mas individualmente somos membros uns dos outros. De modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça que nos é dada, se é profecia, seja ela segundo a medida da fé; se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino. Ou o que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com cuidado; o que exercita misericórdia, com alegria”. (Romanos 12:4-8).

A consultora e líder pastoral norte-americana, Nancy Ortberg, do Estado da Califórnia (EUA), diz que os dons espirituais constituem um assunto que sempre a deixou fascinada. Em recente artigo a revista Today´s Christian Womam, do grupo de mídia evangélico Christianity Today, com o título “How do I Uncover My Spiritual Gifts?” (Como Eu Posso Descobrir os Meus Dons Espirituais), a especialista dá algumas dicas interessantes para juventude. “Eu amo esta questão. Descobrir e utilizar nossos dons espirituais é uma das mais excitantes aventuras que uma pessoa pode ter com Deus. A Bíblia diz que o dom espiritual são habilidades que Deus confere a todo adorador para servir e beneficiar o Corpo de Cristo (A Igreja). Passagens como 1Cotíntios 12, Romanos 12 e 1 Pedro 4 nos leva a detalhes específicos sobre o que esses dons são e como eles devem ser usados”, expõe Nancy.

A consultora explica que o exercício do dom espiritual se configura numa atividade que traz prazer para o cristão. E este pode ser justamente o caminho para que o jovem encontre a sua função. Algo que o fará ter uma profunda experiência com Cristo. “Está claro que todo dom espiritual é um reflexo da natureza de Deus, que você carrega dentro de si. E é exatamente porque o seu dom espiritual reflete o designo do Senhor e a direção dele para a sua vida, que você irá encontrar uma grande paixão, regozijo e satisfação em expressá-lo. Seu dom espiritual também será marcado pela busca de um grande aprofundamento espiritual em sua vida, porque Deus irá usá-lo de maneira poderosa, conectando você a ELE. Nesse relacionamento, serão expostas as áreas de sua alma que necessitam de perdão e redenção”, afirma.

Tendo estes princípios em mente, Nancy explica que basta buscá-los. “Note as coisas que energizam você e parecem vir naturalmente. Todo dom espiritual libera indícios. Seu dom espiritual fará com que você reaja de certas maneiras, numa determinada situação. Por exemplo, se existe um problema, pessoas com o dom espiritual de intercessão irão imediatamente dizer ‘precisamos orar sobre isso’, enquanto aqueles com dom de liderança irão começar a procurar soluções para o problema”, exemplifica.

O próximo passo é aplicá-los. “Uma vez que você já tiver informações suficientes para criar uma lista de possíveis dons (até mesmo dons de perdão, evangelismo, encorajamento ou hospitalidade), exercite suas opções. Um ótimo lugar para começar é tomando uma posição de voluntário em sua igreja. No momento em que você começar os testes, você irá discernir no que está indo bem ou não”, ressalta.

Nancy Ortberg ressalta ainda que só não podem faltar coragem e determinação nesta empreitada, já que somos os responsáveis pelo empenho de, a cada dia, conhecer mais o Senhor (Oséias 6:3). “Em 2 Timóteo 1:6, o apóstolo Paulo encoraja Timóteo a despertar o dom que existe nele. Nós somos responsáveis pelo desenvolvimento dos nossos dons. Esta dedicação irá mostrar a você como nós podemos ir profundo no relacionamento com Deus, assim que nós descobrimos o dom e passamos a vivê-lo. Como seria a Igreja e o nosso mundo se cada um de nós aplicássemos os dons que Deus nos deu?”, finaliza.

Abençoa Jeová (Bless Thou Jehovah)

A Letra da música: “Bless Thou Jehovah” (Abençoa a Jeová”) – Letra de RA Torrey – Música de Eric M. Pazdziora (arranjo)

1- Ó minha alma abençoa a Jeová,

Deus de amor e de graça és tu, 

só Tu és sábio e santo; 

Aos teus pés eu humildemente me curvo.

1- Oh, my soul bless thou Jehovah,

God of love and grace art thou,

Thou alone art wise and holy;

At thy feet I humbly bow.

Refrão Refrain
Abençoa a Jeová, ó minha alma, 
clama em voz alta, sobre ele chama; 
Aos Seus pés nós humildemente caímos 
E coroamos Jeová Senhor de todos.
Bless Jehovah, oh my soul,
Cry aloud, upon Him call;
At His feet we humbly fall,
And crown Jehovah Lord of all.
   

2- Tu, Teu Filho deu de graça,

Todos os nossos pecados para levar, 

Na Cruz Ele fez expiação,

Então a glória liderou o caminho.

Thou, Thy Son hast freely given,

All our sins to bear away,

On the Cross He made atonement,

Then to glory led the way.

(Refrão) (Refrain)

3- Ele, por nós, recebeu o Espírito,

presente precioso do amor divino, 

derramou-o sobre os teus filhos; 

Agora para sempre Ele é meu.

He for us received the Spirit,

precious gift of love divine,

Shed Him forth upon Thy children;

Now forever He is mine.

(Refrão) (Refrain)

4- Jesus logo voltará novamente,

Cada vez mais com Ele eu serei, 

como Ele através das eras sem fim,

Salvo por toda a eternidade.

Jesus soon again returneth,

Evermore with Him I’ll be,

Like Him through the endless ages,

Saved for all eternity.

(Refrão) (Refrain)

Atrás da Canção

RA Torrey foi um evangelista do século XIX conhecido por seu compromisso com a Palavra de Deus e com a mensagem do Evangelho. Como pastor, evangelista, professor, autor e estudioso, ele tem um impacto duradouro até hoje. Muitos de seus livros são considerados clássicos (como o esplendidamente simples How to Pray ), e instituições que ele ajudou a fundar, como o Moody Bible Institute, a Universidade BIOLA e a Igreja da Porta Aberta, permanecem fortes e influentes na igreja de hoje.

O único texto de hino conhecido de Torrey, “Abençoa Jeová”, é uma celebração escriturística, teológica e devocional do caráter e atributos de Deus (Pai, ​​Filho e Espírito) e Sua atuação na história de nossa salvação. Ele expressa adoração por cada elemento da obra salvadora de Deus: o amor e a graça do Pai, a morte e ressurreição do Filho, o derramamento do Espírito na igreja e o retorno de Jesus para estar conosco por toda a eternidade. Como meu irmão disse ao ler, “Torrey pode ter escrito apenas um hino, mas ele só precisava escrever um!”

Torrey dirige nossa adoração para “Jeová”, a transliteração padrão do século XIX do hebraico YHWH . (AY e um W se tornam J e V quando são enviados do hebraico para o inglês por meio do latim e do alemão. É um pouco complicado. Estudiosos hoje tendem a favorecer “Yahweh” como uma reconstrução mais precisa, mas eu decidi que era melhor para preservar o ritmo do poema de Torrey.) Esse é o nome sagrado de Deus revelado a Moisés como uma expressão do caráter, da existência e da fidelidade do pacto de Deus. É usado nas Escrituras – as traduções inglesas geralmente o identificam em pequenas capitais, “SENHOR” – para enfatizar a conexão pessoal de Deus com o Seu povo. “O SENHOR, o SENHOR, o Deus misericordioso e compassivo, tardio em irar-se, cheio de amor e fidelidade …” (Êxodo 34: 6, NVI).

Infelizmente, esse texto de hinos de muitas camadas, com sua rica visão geral da história da salvação, nunca se tornou amplamente popular. Isso pode ser devido ao seu emparelhamento original com uma melodia de Charles Alexander com um alcance irregular e um ritmo um tanto desarticulado. Minha nova música foi composta em uma manhã encantada e se tornou uma das favoritas. Deixe-me saber como você é capaz de usá-lo.

Para mais escritos e sermões, visite esta página:


Texto da música de Reuben Archer Torrey, Domínio Público. Música © 2003 Eric M. Pazdziora. Todos os direitos reservados.

A vida é fantástica

Você tem se sentido feliz, participativo, relevante, produtivo, forte e livre? Vivemos numa sociedade persuasiva, comercializada, automatizada e viciada em drogas, enfim, um lugar onde muitas são as barreiras a serem superadas no dia-a-dia. No entanto, é possível viver bem em meio a essa realidade e ainda liderar outras pessoas a um futuro melhor. Cada um de nós é responsável por alguma coisa que só nós devemos fazer. É uma oportunidade privilegiada que você tem para crescer tanto na vida profissional quanto na vida social. Para desenvolver a capacidade de liderança, você deve observar e praticar as seguintes Leis da liderança:

1- Aprenda a entusiasmar-se com o seu trabalho. Quando começamos uma nova atividade, por vezes ficamos olhando mais para o que os outros fazem do para o que nós temos feito. Temos a tendência de achar que o nosso trabalho é sempre o pior de todos, que trabalhamos muito, etc. Deixa eu lhe dizer um segredo: o trabalho, onde quer que esteja, implica em apenas uma coisa: detalhes, monotonia, preparativos, esforço e cansaço. Se eu não ficar entusiasmado com o que eu não gosto de realizar, eu não posso me entusiasmar muito com o que eu gosto de fazer. Lembre que a vida não é principalmente uma questão de realizar o que você gosta de fazer, é realizar o que você deve e precisa fazer! A coisa mais desafiadora que você vai encontrar na vida é aprender todos os dias a se entusiasmar com o trabalho que está executando.

2- Usar ou Perder. Pare de culpar as outras pessoas pelas coisas que você ainda não conseguiu realizar na sua vida. Mude a situação. Você tem um estoque de qualidades que precisam ser usadas constantemente. Quer saber quais são elas? Compromisso total, sinceridade, lealdade e disciplina. Jamais diga “farei qualquer coisa, exceto….”. Não há outro meio de obter mais conhecimento, sinceridade, amizade, compromisso do que você precisa a não ser utilizando o que você possui.

3- Produzir para a perfeição. Se você não está aprendendo a fazer alguma coisa hoje, não saberá muito acerca da perfeição amanhã. Quando você vê um grande cirurgião, arquiteto, músico, ator, etc. lembre-se que ele começou tropeçando, avançando passo-a-passo até conseguir dominar todas as situações próprias da sua atividade. Vá devagar, mas não pare!

4- É dando que se recebe. Pessoas que dão para receber seria melhor que nada dessem. Se você está dando para receber, então não está dando e sim comercializando e, então, você muitas vezes será enganado. Liderança é aprender a dar, quer você recebe algo em troca ou não. Quanto mais você aprender a dar, mais você irá receber capacidade para dar. “Nenhuma pessoa jamais foi honrada pelo que recebeu. O honra tem sido a recompensa pelo que ela deu”

5- Aproveite a Experiência. Deus lhe deu um chaveiro psicológico. E Ele lhe diz: “toda vez que você se expuser a uma situação nova, eu lhe darei outra chave de experiência para o seu chaveiro”. Com o passar dos anos você acumula muitas chaves que lhe permitem resolver com facilidade problemas. Só que não tem como pegar atalho. Por mais que você tenha sido o melhor aluno da turma, você vai ter que começar de baixo. Portando, enquanto você não chega no destino final aproveite a viagem!

6- Planejamento Flexível. Nunca pense que o planejamento basta. O planejamento deve ser flexível. Algo pode dar errado, então tenha um plano alternativo. A marca de um homem ou uma mulher em processo de crescimento é o seu entendimento de que as coisas saem erradas para nos dar mais razão. Deus nunca derruba um homem com problemas, exceto para fazê-lo crescer. Faça das coisas que saem erradas parte do seu plano. Você estará muito à frente quando estiver aguardando que aconteça algo em seu caminho.

7- Motivando a Motivar. Se você está aprendendo a ser motivado, finalmente se transformará em um motivador cheio de sucesso e será muito feliz nisso. Não existem barreiras que você não possa transpor se estiver aprendendo a ser motivado.

Novos caminhos se abrem à sua frente e cabe a você determinar qual rumo lhe levará ao melhor futuro. Procure estar atendo às coisas que estão à sua volta, procure nelas o melhor. Faça dos seus colegas amigos de verdade, pessoas com as quais você pode contar a qualquer hora, pessoas que te ajudarão e que também esperam a sua ajuda. Eu, tenho aprendido de Deus a cada dia e posso lhe garantir: realmente a vida é fantástica!


Este é o resumo de palestra de 1h30 para jovens e pessoas com problemas de depressão, tendo como base o livro A Vida é Fantástica, editora Vida, 1998 – Stanley Charlie Jones, a primeira vez que palestrei sobre este assunto para para um encontro de jovens na Comunidade da Graça em Londrina (em 1999). Para levar esta palestra motivacional para sua escola ou seu grupo, entre em contato com o autor.
Elton Batista de Melo, foi economista, consultor e foi Professor de Economia na UEL/FANORPI. Teólogo pela FTSA – Faculdade Teológica Sul Americana, de Londrina, PR

Simão mago: o protótipo do falso convertido

“Portanto, pelos seus frutos os conhecereis.” [Mateus 7:20]. No capítulo 8 do livro dos Atos, temos um relato muito interessante do homem normalmente chamado de “Simão Mago”. Ele nos é apresentado por Lucas, como aquele que exercera anteriormente a “arte mágica” e sabemos, a partir dessa descrição, que ele tinha conexão com os magos babilônios. Lendo comentários e dicionários bíblicos referentes a Simão, vemos que na verdade ele se mostrava ao povo de Samaria como se fosse uma deidade! A partir do verso 5, lemos o seguinte:

“E, descendo Filipe à cidade de Samaria lhes pregava a Cristo. E as multidões unanimemente prestavam atenção ao que Filipe dizia, porque ouviam e viam os sinais que ele fazia; pois que os espíritos imundos saíam de muitos que os tinham, clamando em alta voz; e muitos paralíticos e coxos eram curados. E havia grande alegria naquela cidade. E estava ali um certo homem, chamado Simão, que anteriormente exercera naquela cidade a arte mágica, e tinha iludido o povo de Samaria, dizendo que era uma grande personagem; ao qual todos atendiam, desde o menor até ao maior, dizendo: Este é a grande virtude de Deus. E atendiam-no, porque já desde muito tempo os havia iludido com artes mágicas. Mas, como cressem em Filipe, que lhes pregava acerca do reino de Deus, e do nome de Jesus Cristo, se batizavam, tanto homens como mulheres. E creu até o próprio Simão; e, sendo batizado, ficou de contínuo com Filipe; e, vendo os sinais e as grandes maravilhas que se faziam, estava atônito.”

Lucas informa que Simão exercera anteriormente a “arte mágica” e sabemos, a partir dessa descrição, que ele tinha conexão com os magos babilônios. Os magos eram uma seita secreta de “homens sábios” que encontramos na Babilônia ao tempo do profeta Daniel e também eram membros do grupo que visitou o menino Jesus, seguindo a “estrela de Belém”. Eles eram conhecidos como seguidores de uma seita chamada Zoroastrismo, e praticavam a astrologia, a adivinhação e outras práticas ocultistas numerosas demais para mencionar, e eram, portanto, ocultistas. (Apenas como observação, acho fascinante que Deus tenha usado esses instrumentos do Diabo para oferecer ouro, incenso e mirra como presentes ao “menino Jesus” — presentes caros que propiciaram os meios para José e Maria fugirem para o Egito com o bebê quando o rei Herodes tentou matá-lo!) Esses magos consideravam-se “adeptos”, ou especialistas, no campo das artes mágicas e, aparentemente, criam que existiam diversos níveis desse conhecimento — levando até aos “mestres elevados”. Muitas das religiões do mundo consideram Jesus Cristo como um mestre elevado no mesmo plano que Maomé, Buda, Confúcio, Visnu, etc., mas apesar disso apenas um homem, e não o próprio Deus em forma de homem.

Lendo comentários e dicionários bíblicos referentes a Simão, vemos que na verdade ele se mostrava ao povo de Samaria como se fosse uma deidade! Uma ex-prostituta chamada Helena era sua assistente constante, e sua assim chamada “primeira idéia divina”, enquanto o povo de Samaria e de Roma (posteriormente) o considerava como um deus. Achamos essa alusão nos versos 9 e 10. Assim, o ponto que quero deixar claro é que Simão conhecia melhor o plano e o programa do Diabo que o homem comum nas ruas. Isso nos ajuda a compreender sua profunda admiração quando Filipe veio à cidade e começou a operar milagres por meio do poder do poder do Espírito Santo, que fazia a magia de Simão parecer amadorismo; julgando por suas ações subseqüentes, parece que ele concluiu que Filipe era um adepto mais avançado do que ele — talvez até um mestre elevado! Observe que o verso 13 diz “creu até o próprio Simão” — isto é, ele aderiu, acreditou e confiou no ensino de Filipe…” A tradução aqui sugere que Simão obviamente creu no ensino de Filipe, mas não na salvação em Jesus Cristo. Observe que após ser batizado, ele “ficou de contínuo com Filipe; e, vendo os sinais e as grandes maravilhas que se faziam, estava atônito.”.

Agora, se terminássemos a história neste ponto, sem dúvida muitos diriam que, como Simão creu e foi batizado, ele tornou-se um cristão (e, a despeito da evidência em contrário, alguns ainda acreditam nisso). No entanto, essa inferência está baseada em uma evidência incompleta — e extremamente duvidosa, em vista dos eventos posteriores. Na verdade, se olharmos para os relatos do ministério terreal do Senhor, encontramos diversas ocasiões em que Ele curou as pessoas, restaurou a visão aos cegos, ressuscitou os mortos, e realizou muitos outros milagres. No entanto, se lermos atentamente os relatos, em muitos desses casos, não há nenhuma menção que a salvação individual foi obtida; no entanto, muitos pastores rotineiramente insistem em espiritualizar e dizer que as pessoas também foram salvas! Bem, essa é uma conclusão baseada em uma total falta de evidência e não deveria ser adotada. Somente Deus sabe se aquelas pessoas também foram salvas ou não e, se não é mencionado especificamente, não devemos fazer acréscimos à Palavra de Deus!

Voltando a Simão, e acompanhando a narrativa nos versos 14 até 24:

“Os apóstolos, pois, que estavam em Jerusalém, ouvindo que Samaria recebera a palavra de Deus, enviaram para lá Pedro e João. Os quais, tendo descido, oraram por eles para que recebessem o Espírito Santo (Porque sobre nenhum deles tinha ainda descido; mas somente eram batizados em nome do Senhor Jesus). Então lhes impuseram as mãos, e receberam o Espírito Santo. E Simão, vendo que pela imposição das mãos dos apóstolos era dado o Espírito Santo, lhes ofereceu dinheiro, Dizendo: Dai-me também a mim esse poder, para que aquele sobre quem eu puser as mãos receba o Espírito Santo. Mas disse-lhe Pedro: O teu dinheiro seja contigo para perdição, pois cuidaste que o dom de Deus se alcança por dinheiro. Tu não tens parte nem sorte nesta palavra, porque o teu coração não é reto diante de Deus. Arrepende-te, pois, dessa tua iniqüidade, e ora a Deus, para que porventura te seja perdoado o pensamento do teu coração; Pois vejo que estás em fel de amargura, e em laço de iniqüidade. Respondendo, porém, Simão, disse: Orai vós por mim ao Senhor, para que nada do que dissestes venha sobre mim.”

Quando Simão observou os apóstolos impondo as mãos sobre os crentes para que recebessem o Espírito Santo, suas verdadeiras intenções vieram à tona imediatamente. Shazam! Aquilo era magia poderosa e ele também precisava tê-la; custasse o preço que custasse! Assim, ele fez um grande erro e tentou oferecer dinheiro em troca do “segredo” daquela capacidade sobrenatural. Como sempre acontecia, Pedro foi o primeiro a falar. E ele disse exatamente aquilo que Simão precisava ouvir! Sem hesitação, ele disse a Simão que poderia pegar seu dinheiro e ir para o inferno! A maioria dos pastores receia em adotar essa interpretação, mas basicamente foi isso que Pedro lhe disse. Assim, por que Pedro faz essa repreensão tão condenatória — que nos deixa literalmente admirados? Evidentemente, o Espírito Santo o motivou a proferir aquela repreensão, pois Simão Mago não era um cristão genuíno e suas ações provavam isso. Observe atentamente que não há indicação que Simão arrependeu-se de suas ações ou intenções. Sua única resposta foi um pedido para que eles orassem a Deus para que nada daquilo que Pedro disse viesse sobre ele. Essa é a última vez que ouvimos de Simão nas Escrituras.

A história secular registra por meio de vários autores e historiadores da época, que Simão e sua assistente Helena, partiram para Roma, onde ele continuou a praticar suas artes mágicas e fundou uma seita. Essas ações parecem naturais de quem tenha sido salvo realmente? Alguns podem dizer, com base no verso 13, em que lemos que “Simão creu”. As Escrituras não dizem, em Marcos 16:16, que “quem crer e for batizado será salvo”? Simão creu e foi batizado, de modo que como dizemos que ele não era salvo? Bem, para os principiantes, precisamos deixar claro que a crença precisa ter um objeto e, no caso dos cristãos genuínos, esse objeto é Jesus Cristo. Simão creu — mas o objeto da sua fé não foi Jesus Cristo, conforme ficou evidenciado por suas ações e pela severa repreensão de Pedro. O objeto de sua fé aparentemente foi o ensino e os milagres de Filipe, como indicado no verso 13 — e esse tipo de crença não salva uma alma.

Em Mateus 7:15-23, o Senhor faz alguns comentários contundentes sobre os falsos profetas e dá instruções sobre como podemos detectar esses impostores, mas essas instruções também se aplicam àqueles que não são cristãos genuínos. Começando no verso 15, lemos:

“Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores. Por seus frutos os conhecereis. Porventura colhem-se uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos? Assim, toda a árvore boa produz bons frutos, e toda a árvore má produz frutos maus. Não pode a árvore boa dar maus frutos; nem a árvore má dar frutos bons. Toda a árvore que não dá bom fruto corta-se e lança-se no fogo. Portanto, pelos seus frutos os conhecereis. Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade.”

Aqui o Senhor nos diz como detectar os falsos profetas, ou também qualquer profissão de fé que não seja genuína. Um filho de Deus, realmente nascido de novo tem o Espírito Santo residindo dentro dele e é impossível de esconder! Em algum grau, mesmo no cristão mais carnal e desviado, a presença do Espírito Santo se manifestará na forma de amor, alegria, paz, longanimidade, etc. — todos os quais são o “fruto do Espírito” mencionado em Gálatas 5:22. A macieira produz maçãs e o Espírito Santo produz “fruto” na vida dos seus filhos. A conclusão óbvia que precisamos tirar daqui é que “se não há fruto — é porque não há raiz!” Se observarmos as vidas daqueles que dizem serem líderes cristãos, ou simples cristãos ouvintes “que sentam nos bancos” e não pudermos discernir a presença do Espírito Santo, precisamos ter muita cautela com eles. Certamente, podemos estar enganados na nossa avaliação espiritual dos outros, de modo que não devemos nos colocar na posição de juízes das outras pessoas, mas ao mesmo tempo a Palavra de Deus nos ensina a discernir essas questões. Em outras palavras, não receba alguém como irmão ou irmã em Cristo e estabeleça uma relação de confiança com eles, com base unicamente na profissão de fé que fazem. Algumas pessoas professam a Cristo erradamente e pensam que são salvas, enquanto outras fazem isso falsamente, por razões que normalmente envolvem ganho pessoal (como aparentemente foi o caso com Simão).

Deus nos deu um cérebro e espera que façamos bom uso dele! 1 João 4:1-3 diz o seguinte:

“AMADOS, não creiais a todo o espírito, mas provai se os espíritos são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo. Nisto conhecereis o Espírito de Deus: Todo o espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus; E todo o espírito que não confessa que Jesus Cristo veio em carne não é de Deus; mas este é o espírito do anticristo, do qual já ouvistes que há de vir, e eis que já está no mundo.”

Como os registros seculares das atividades de Simão são superficiais, para dizer o mínimo, não sabemos exatamente quanta vergonha ele trouxe ao nome de Cristo, mas temos certeza que foi uma quantidade considerável. A Bíblia nos diz como ele foi bem sucedido em conquistar a atenção dos samaritanos e parece que conseguiu fazer a mesma coisa em Roma. No entanto, a diferença foi que em Roma, ele mais ou menos se encondeu atrás de uma máscara de pseudocristianismo, o que tornou sua magia ainda mais sórdida. O Diabo sabe o que está fazendo e é um especialista em usar a natureza humana contrá nós mesmos. Sua principal arma é a enganação e sempre que puder utilizar uma de suas “toupeiras” para alastrar falsos ensinos ou causar desordem no corpo de Cristo, ele alcançou seus objetivos — provocar Deus! Nossa responsabilidade como cristãos é estar alertas contra aqueles que são lobos disfarçados de ovelhas e fazer tudo o que pudermos para evitá-los, e alertar os outros crentes. As ovelhas estão indefesas sob a melhor das circunstâncias, mas certamente não queremos ajudar os lobos, agindo de forma mais estúpida do que realmente somos.

Agora, voltando ao texto em Mateus 7, quero enfatizar que precisamos estar sempre de guarda contra o que chamo de “pregadores bem-sucedidos”. Você sabe o tipo ao qual estou me referindo — aqueles grandes evangelistas, que são constantemente requisitados, ou que pastoreiam igrejas com milhares de membros (mas também algumas menores). Geralmente são chamados de “pastores titulares” porque têm grandes equipes de outros pastores e ministros, responsáveis pelas atividades rotineiras da igreja. Normalmente, recebem polpudos salários e são considerados como os homens (e agora também mulheres!) mais respeitáveis em suas comunidades. Todo mundo fala bem deles e suas congregações “os amam até a morte” Você percebe que aquilo que acabo de descrever tornou-se a posição ideal almejada pela maioria dos pastores hoje em dia? Grandes congregações, grandes entradas e uma multiplicidade de programas para todos os membros da família — mais números sempre crescentes de batismos atestam o sucesso dos ministros do evangelho! Vamos lá, admita — você sempre pensou dessa forma. Certo?

Mas, e se eu lhe disesse que a probabilidade é muita alta que um número significativo desses indivíduos sejam clones de Simão Mago e, na operação de suas “mágicas” são tão contrários à causa de Cristo quanto era Simão? Heresia, você diz? Posso lhe mostrar que um pastor (ou qualquer outro cristão) que realize seu trabalho no poder do Espírito Santo será literalmente odiado pelo mundo e não receberá tapinhas nas costas? Leia o que o Senhor teve a dizer em João 15:19:

“Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia.”

Assim, quando vejo qualquer crente professo — especialmente pastor — recebendo as boas-vindas, com amizades com o mundo não-salvo em torno dele, imediatamente fico muito desconfiado, e você também deveria ficar! Mas não me entenda mal, pois não estou dizendo que todo pastor de igreja grande, e que seja muito requisitado, seja falso e seja um instrumento do Diabo.

O que estou dizendo é que muitos deles são! “Pelos seus frutos os conhecereis.” A filosofia neo-evangélica dos “métodos” invadiu a vasta maioria das igrejas como uma onda gigante. Em nome do evangelismo, as igrejas tornaram-se centros de entretenimento para garantir que as grandes multidões sejam atraídas para “ouvir o evangelho”. Em seguida, essas igrejas provêem a carne em toda oportunidade, em um esforço de fazer as multidões voltar. A adoração formal a Deus foi abandonada e substituída pelos “serviços contemporâneos de adoração” — em que as pessoas são encorajadas a vestir roupas esportivas confortáveis para que os visitantes (os perdidos) sintam-se à vontade e queiram voltar.

A música do mundo foi adotada porque “o pessoal jovem” gosta dela e é mais familiar e menos formal para os visitantes. O satanista Anton LaVey acertou em cheio no que se refere ao uso da música Rock com letras cristãs nas igrejas. Leia com atenção: “Muitas igrejas, inclusive algumas das maiores congregações, têm a música mais sensual, com palmas — também satanicamente inspirada. Afinal, o Diabo sempre teve as melhores melodias.” [A Bíblia Satânica, pág. 49] Obrigado, Anton, nós mesmos não poderíamos ter dito melhor!

Que Deus nos ajude!! Um serviço de adoração, por definição, deveria ter o único propósito de adorar ao Deus Todo-Poderoso e expressar nosso amor e gratidão a Ele. O pastor — com base nas ações dos pastores da igreja primitiva — deve pregar um sermão que desafie e que eleve a congregação, com o sincero desejo que ajudará as pessoas a enfrentar os problemas que terão na semana entrante. O sermão também tem o propósito de educar o povo na Palavra de Deus, para que haja crescimento espiritual. Novamente, reitero que o propósito de um serviço de adoração deve ser de nós para Deus — oferecendo o que temos de melhor e, de forma reverente, agradecer a Ele por todos os Seus benefícios. A música que oferecemos como louvor deve ser da mais alta qualidade e as palavras de acompanhamento devem ser espiritualmente similares à qualidade da música. Nosso traje e nosso comportamento também devem estar de acordo com o privilégio solene, porém alegre, que temos de poder nos reunir para a adoração. Todos deveríamos lembrar que estamos na presença do Rei dos reis e Senhor dos senhores quando participamos de um serviço em Sua honra.

Assim, com esses pensamentos em mente, como você acha que Deus vê nossas desculpas para uma adoração relaxada, descontraída e com música mundana? Você teria a audácia de comparecer diante do trono nos céus e apresentar-se diante de Jesus Cristo vestindo calças jeans e uma camiseta, se tem roupas melhores e mais formais em seu guarda-roupa? Talvez você não perceba isso, mas está demonstrando desrespeito a Deus quando sua “adoração” é oferecida com esse tipo de atitude. Pense nisso!

Os pastores infectados pelo vírus neo-evangélico são os principais culpados por essa revoltante degradação, que procura satisfazer a carne. Em vez de manter os padrões de adoração que tinham uma base bíblica e séculos de precedentes antes deles, optaram por métodos que sabem que produzem resultados. Há um ditado que diz: “Nada produz tanto sucesso quanto o próprio sucesso.” As pessoas vão naturalmente para onde há luz e calor — para onde há ação. A natureza humana é altamente previsível e é por isso que os vendedores estudam truques psicológicos que comprovadamente funcionam. Além disso, é um fato bem conhecido que o entretenimento (em todas as suas formas) atrai e mantém a atenção do público. Portanto, foi somente um passo para que os homens adotassem técnicas comprovadas de vendas para anunciar a Cristo! Lembra-se de como Simão atraiu e mantinha a atenção dos samaritanos? Os “Simões” modernos estão envolvidos na mesma atividade — cativando as pessoas de todas as formas possíveis, pois a natureza humana diz que os próprios números atuam como um ímã para mais pessoas.

Mas não devemos mesmo usar todos os meios disponíveis para fazer as pessoas ouvirem a mensagem do evangelho? Permita-me responder a essa pergunta fazendo outra: Você pode me mostrar na Bíblia pelo menos um exemplo em que o Senhor ou algum de seus discípulos fizeram isso? A coisa mais próxima que encontrará é que o Senhor enviou “batedores” na frente Dele às cidades e aldeias de Israel para proclamar que o Messias estava chegando. A mensagem sobrenatural do evangelho dirigida pelo poder do Espírito Santo sempre atrai aqueles que Deus quer que ouçam a mensagem.

Os métodos de Simão garantem absolutamente uma colheita abundante de joio no meio do trigo!

Em geral, as igrejas atualmente estão compromissadas com planos, programas e métodos — mas pouco com o Espírito Santo, conforme evidenciado pela contínua rotatividade dos membros em algumas, e decréscimo em outras. A mensagem de Deus está sendo substituída pelos métodos do homem.

Se você participa de uma igreja, vai com a expectativa de dar ou de receber? Se está dentro da média, provavelmente admitirá querer “receber uma bênção”. Entretanto, a mensagem do Senhor é que mais bem-aventurada coisa é dar do que receber. Quando entramos em um serviço de adoração, devemos ter o propósito de render graças e louvor a Deus por todo Seu amor e por Suas bênçãos sem medida — para não mencionar nossas ofertas financeiras em proporção com aquilo que Ele nos tem dado. Não devemos ir ao serviço para receber gratificação carnal por meio de um sermão cuidadosamente preparado, que objetiva produzir uma resposta emocional das pessoas, nem por uma extravagância musical com dança ou batidas dos pés no chão! Nossas casas de adoração estão se degradando devido ao uso de métodos para agradar a multidão e a falta de um reavivamento genuíno, enviado pelos céus, e promovido pelo Espírito Santo entre o povo de Deus, é um lembrete constante desse fato.

Como pai e agora avô, aprendi que a maioria das crianças gosta de doces! Se eu lhes oferecer a opção de escolher o que querem em uma refeição, a sobremesa provavelmente será a primeira prioridade. Essa pequena característica da natureza humana nos faz rir, mas é um fato soberbo compreender que nunca superamos esse desejo pelo prazer. Se puder escolher, a vasta maioria de nós sempre optará por aquilo que dê satisfação, em vez de escolher o trabalho e as dificuldades. Os “Simões” deste mundo sabem disso, e lenta e furtivamente incorporaram as “coisas agradáveis” do cristianismo em uma mistura de fervor evangelístico que agrada as multidões, música e programas “para todos os membros da família”. Qual cristão genuíno não fica emocionado ao ver almas serem salvas para Cristo? Quem não gosta de uma música que mexa com a alma? Quem não gosta de participar de atividades cristãs na igreja local?

No entanto, você já observou que a maior parte do Novo Testamento dedica-se à instrução doutrinária e à ética dos santos e não ao evangelismo? A música, quase nunca é mencionada no Novo Testamento e, embora seja uma parte importante do serviço de adoração, e sejamos instruídos a entoar cânticos espirituais, cantando ao Senhor com graça no nosso coração, não recebe ênfase principal. Os programas para todos os membros da família são também uma estratégia iniciada no século XX e era desconhecida até então. O que estou tentando dizer? Muito simples, a maioria das igrejas hoje está se especializando em sobremesas e não está oferecendo carne nem legumes. O treinamento do povo de Deus em doutrina e na vida santificada, mais história da igreja cristã — recebe prioridade muito baixa, se é que chega a ser ministrado! O estudo sério da Bíblia, livro por livro, versículo por versículo, é raro de ser visto, e mesmo nos casos em que é enfatizado, a maioria dos pastores evita certas doutrinas e as passagens difíceis das Escrituras.

Por quê? Porque são doutrinas controversas e podem fazer alguém pensar em mudanças! “Ah, mas não devemos ofender ninguém, pois algumas pessoas podem não voltar mais”. O jogo dos números é a principal preocupação e os pastores estão hipnotizados por ele. A maioria de vocês que se senta nos bancos ficaria absolutamente surpresa se soubesse o medo que seu pastor tem de perder o emprego. O rabo está abanando o cachorro, pessoal, e muitos de vocês estão raquíticos espiritualmente por causa disso.

E você, amigo? É um joio falso ou um trigo genuíno?

Se você recebeu Jesus Cristo como seu Salvador pessoal, mas vive uma vida espiritual morna, precisa pedir perdão e renovar seus compromissos. Ele o perdoará imediatamente e encherá seu coração com a alegria do Espírito Santo de Deus. Em seguida, você precisa iniciar uma vida diária de comunhão, com oração e estudo da Bíblia.

Se você nunca colocou sua confiança em Jesus Cristo como Salvador, mas entendeu que ele é real e que o fim dos tempos está próximo, e quer receber o Dom Gratuito da Vida Eterna, pode fazer isso agora, na privacidade do seu lar. Após confiar em Jesus Cristo como seu Salvador, você nasce de novo espiritualmente e passa a ter a certeza da vida eterna nos céus, como se já estivesse lá. Assim, pode ter a certeza de que o Reino do Anticristo não o tocará espiritualmente. Se quiser saber como nascer de novo, vá para nossa Página da Salvação agora.


Autor: Pr. Ron Riffe – 16/6/2001 – A Espada do Espírito: https://www.espada.eti.br/p150.asp

Cristo virá de novo?

(Arquivo em tradução) Uma exposição da loucura, falácias e falsidades de Shailer Mathews – De RA Torrey, 1918 – Nota do Tradutor: (Shailer Mathews foi um teólogo progressista, defendeu as preocupações sociais, como parte da mensagem do Evangelho Social, e submetendo os textos bíblicos ao estudo científico, em oposição aos cristãos conservadores da sua época. Ele incorporou a teoria evolucionista em seus  pontos de vista religiosos, observando que os dois não eram mutuamente exclusivos). R.A. Torrey, escreveu em 1918 um livro para refutar os ensinos de Shailer Mathews. Ele introduz assim a importância do tema: “Um dos panfletos e livros mais perigosos e prejudiciais publicados nos últimos dois anos (1916-18) é o folheto de Shailer Mathews, intitulado “Will Christ Come Again?” (Cristo virá de novo?).

O Instituto Americano de Literatura Sagrada (American Institute of Sacred Literature – 1880-1943), com os grandes recursos sob seu comando, parece ter envidado seus mais fortes esforços para colocar este panfleto nas mãos de todos os ministros e proeminentes obreiros cristãos na terra. Nesta tentativa eles tiveram a sincera e ativa cooperação de muitos ministros influentes e corpos religiosos. Quando o panfleto apareceu pela primeira vez, pareceu a muitas pessoas ponderadas como se o raciocínio do panfleto fosse tão fraco e muitas das declarações tão manifestamente falsas que o panfleto faria bem ao invés de prejudicar servindo para abrir os olhos de muitos para a fraqueza de a causa dos pós-milenaristas, que se sentiram compelidos a recorrer a métodos como os ilustrados no panfleto para sustentar sua causa em declínio. Na verdade, este panfleto teve esse efeito esperado em muitos; mas, por outro lado, muitos estavam tão determinados que não seriam pré-milenaristas que estavam prontos a receber cordialmente qualquer coisa que atacasse o pré-milenarismo, embora estivesse cheio do veneno da incredulidade. Além disso, não poucos foram cegados pelas sutilezas do panfleto.

Uma ilustração marcante disso é encontrada no fato de que a Sociedade Missionária Estrangeira das Mulheres da Igreja Metodista Episcopal, uma das sociedades missionárias mais honradas e influentes neste país, enviou um cópia deste panfleto a cada um dos quinhentos missionários que eles apóiam em diferentes partes do mundo, elogiando seriamente o panfleto, e a esposa de um dos Bispos da Igreja Metodista Episcopal, uma mulher talentosa e influente, Sra. Clotilda L. McDowell escreveu uma carta para cada um desses missionários, enviando-a com o panfleto e dizendo: “O folheto anexo, declarando com grande precisão, a posição da Igreja Metodista Episcopal sobre esta importante questão”. Certamente é surpreendente quando uma sociedade missionária estrangeira, liderada por uma mulher da influência da Sra. McDowell, apóia oficialmente um panfleto que não apenas ataca a teoria pré-milenista do retorno de nosso Senhor, mas nega nos termos mais claros que Ele jamais virá de novo. pessoal e corporal, e além disso, desacredita e zomba do claro ensinamento de nosso Senhor Jesus Cristo e dos Apóstolos,, e constantemente procura minar a confiança na absoluta confiabilidade das Escrituras tanto do Velho quanto do Novo Testamento.

Na página 21 deste panfleto, encontram-se estas palavras: “Será que Cristo voltará? Respondemos com toda a reverência, não no sentido em que os primeiros cristãos (e de todo o panfleto é evidente que” os primeiros cristãos” Shailer Mathews inclui Jesus Cristo e os Apóstolos) […] esperados Nunca no sentido que os pré-milenistas de hoje afirmam (isto é, como o contexto imediato no panfleto deixa claro, pessoalmente, visivelmente, corporalmente). Somos informados por outro Bispo da Igreja Episcopal Metodista de que a Sra. McDowell e a Diretoria não tinham o direito de tomar essa medida, e presumimos que este Bispo esteja correto em sua declaração, mas, a menos que a Diretoria a tenha tomado, é um ilustração marcante do perigo que há no panfleto.

Não é agradável dizer sobre qualquer homem, mas especialmente sobre um homem que ocupou uma posição tão alta no mundo educacional e na igreja organizada como aquela ocupada pelo Dr. Shailer Mathews, as coisas que seremos forçados a dizer nesta revisão de seu panfleto, mas o próprio Dr. Mathews o obrigou. Porque ele atacou, não abertamente, é verdade, mas não menos verdade, insidiosamente, a honra da Palavra de Deus, a Bíblia, e do Filho de Deus, nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Ele disse as coisas mais contumazes e caluniosas sobre ambos, como mostraremos mais adiante, e o homem que ataca a honra e a veracidade de meu Senhor Jesus Cristo, ou que procura minar a fé nesse livro que eu sei ser a Palavra de Deus, sinto-me compelido a lutar contra e a falar nos termos mais francos, não importa quem ele seja e que posição ele possa ocupar. Ao falar dele como “Shailer Mathews”, sem o uso dos títulos que lhe pertencem, nenhum desrespeito é pretendido, mas ele assina a si mesmo. Ele não usa títulos na página de rosto de seu panfleto. Confessamos que o respeitamos ainda mais por isso. Um grande homem não precisa de títulos. Mas Shailer Mathews, como qualquer homem, tem o direito de usar títulos. Ele recebeu o grau honorário de DD por três faculdades: Colby, Oberlin e Brown University. Ele recebeu o grau honorário LL.D. da faculdade estadual da Pensilvânia. De 1899 a 1908 ele ocupou o cargo de reitor da Faculdade de Divindade, e de 1908 até a atualidade da Universidade de Chicago. Shailer Mathews é na verdade um homem muito mais capaz e um estudioso muito melhor e um raciocinador muito mais inteligente do que aparece neste panfleto.

Nesse panfleto, ele tentou escrever sobre um assunto para o qual não deu um estudo completo e honesto. De fato, sua ignorância dos pontos de vista e ensinamentos daqueles a quem ele ataca os pré-milenares é às vezes surpreendente. Além disso, ele se permitiu, neste caso, ser governado por seus preconceitos violentos e amargos, e não por suas faculdades de raciocínio , e, portanto, foi traído nas falácias e falsidades que caracterizam o panfleto do começo ao fim. Há razão para pensar que o seu preconceito mais profundo não é tanto contra a visão pré-milenarista da Segunda Vinda de Cristo quanto contra a autoridade e a inerrância Divinas de nosso Senhor Jesus Cristo e as Apóstolas Inspiradas, e que este proferiu o ataque contra o pré-milenista pretende, na verdade, ser um ataque camuflado à autoridade e confiabilidade de Jesus Cristo e dos escritores do Novo Testamento, que ele não ousou atacar direta e abertamente.

Deixe-me dizer no início que a grande falha do panfleto e o grande perigo que reside nele não é que ataca a visão pré-milenista do retorno de nosso Senhor, mas que persistentemente e constantemente procura desacreditar os ensinamentos de nosso Senhor Jesus Cristo. e os homens santos de Deus a quem Deus, pelo Seu Espírito Santo, inspirou para escrever o Novo Testamento. Se Shailer Mathews está certo em suas declarações, então Jesus Cristo, como mostraremos mais tarde, foi ou um tolo notório ou uma fraude consumada. Veremos mais adiante que não há como escapar a essa conclusão. 

Para mim, a questão de saber se o nosso Senhor Jesus está vindo antes do milênio ou após o milênio, ou mesmo a questão de se Ele está voltando a esta terra visivelmente e corporalmente a qualquer momento, é uma questão totalmente secundária. A questão de saber se os apóstolos inspirados eram professores infalíveis ou não e, acima de tudo, a questão de saber se o nosso Senhor Jesus Cristo foi ou não um mestre infalível, é da primeira importância. Que Jesus Cristo afirmou ser um professor enviado por Deus, que falou as próprias palavras de Deus, não admite nenhum questionanmento (ver João 12.48,49; 14.24, e 7.16). 

Se nosso Senhor Jesus não foi um professor enviado por Deus, que falou as próprias palavras de Deus, um professor divinamente inspirado e absolutamente infalível, então Ele era um fanático, infelizmente iludido, ou um mentiroso deliberado. Se Ele fosse um ou outro eu devo me recusar a acreditar Nele e me tornar um infiel. Não há meio termo para qualquer pensador lógico tomar. Não há o suficiente do trapaceiro intelectual sobre mim, mesmo se há sobre Shailer Mathews e sua escola, para acreditar que Jesus foi ou infelizmente fanático iludido ou um mentiroso deliberado e ainda afirmam acreditar n’Ele como meu Salvador e Senhor. Mas nosso Senhor Jesus não era nem um fanático tristemente iludido nem um mentiroso deliberado.

Ele (jesus) era o que afirmava ser, um professor enviado por Deus, que falava as próprias palavras de Deus, um professor inspirado absolutamente infalível. Sim, ele era mais que isso; Ele foi tão completamente, mesmo durante a sua vida terrena, Deus manifesto na carne, que Ele poderia dizer verdadeiramente: “Quem me viu, viu o Pai” (João 14.9), e poderia dizer novamente a respeito de si mesmo: “os homens devem honrar o Filho, assim como honram o Pai ” (João 5.23). Deus Todo-Poderoso estabeleceu o Seu selo para estas afirmações estupendas de nosso Senhor Jesus, ressuscitando-o dos mortos; e pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, o que pode facilmente ser mostrado como um dos melhores fatos comprovados da história, Shailer Mathews, ao procurar, embora de maneira dissimulada e com muita sutileza, desacreditar nosso Senhor Jesus Cristo, é provado ser um blasfemo. Isso para começo da introdução. Agora estamos prontos para um exame direto de algumas das tolices infantis e absurdas falácias e grosseiras falsidades e blasfêmias insidiosas do panfleto de Shailer Matthews .

Dr. Mathews começa seu panfleto com estas palavras: “Cristo virá de novo? Alguns dizem sim, e imediatamente. Outros dizem, quando ele foi embora? Ele está presente espiritualmente. Ele não prometeu estar conosco até o fim dos tempos? Essas duas respostas são o resultado de duas maneiras de usar a Bíblia. O que é correto? “

No que se segue imediatamente e em todo o seu livreto, Shailer Matthews deixa claro que ele acredita que o último “modo de usar a Bíblia” está correto. Assim, a principal questão que Shailer Mathews coloca em seu panfleto, e que ele implica não pode ser respondida, é: “Quando Ele (isto é, nosso Senhor Jesus) foi embora?”

Como qualquer estudante da Bíblia, mesmo de inteligência e honestidade comuns, poderia fazer tal pergunta é difícil de entender. A pergunta de Shailer Mathews não é difícil de responder. Nosso Senhor Jesus mesmo respondeu a pergunta; Ele respondeu, por exemplo, em João 14:28, onde Ele diz: “Ouvistes como te disse, vou-me embora e venho a vós. Se me amasseis, ter-vos-eis rejubilado, porque eu vou para o Pai: porque o Pai é maior que eu ” Agora, se nosso Senhor Jesus Cristo quis dizer alguma coisa com estas palavras, e Ele certamente quis dizer algo porque Ele não era tolo, Ele quis dizer que estava SE AFASTANDO ao Pai Celestial. Então o próprio Jesus Cristo nos diz quando Ele foi embora. Ele foi embora quando, depois de ter sido crucificado e ressuscitado, Ele subiu do Monte das Oliveiras, deixando este mundo para trás e indo para outro mundo, do qual outro mundo algum dia, como indicado aqui e mais claramente afirmado em outro lugar, Ele está voltando novamente . A questão de Shailer Mathews também é respondida no primeiro capítulo dos Atos dos Apóstolos, no nono versículo, onde lemos: “E quando Ele disse estas coisas, como elas estavam olhando, Ele foi levado para cima: e uma nuvem O recebeu de fora. sua visão “.

Nestas palavras, Lucas, que, para não falar de sua inspiração, foi um historiador muito preciso, nos diz distintamente QUANDO O SENHOR JESUS ​​FOI EMBORA. Foi quando os discípulos foram reunidos no Monte das Oliveiras e quando Ele lhes deu a ordem de despedida (versos 4-9), e então, enquanto eles olhavam, ele foi embora e foi recebido “fora da vista deles”.

O Apóstolo Pedro também responde a pergunta em Atos 3.19-21: “Arrependei-vos, pois, e voltai, para que os vossos pecados sejam apagados, e para que haja momentos de refrigério da presença do Senhor; e que ELE PODE ENVIAR O CRISTO que foi designado para você, mesmo Jesus QUANDO O CÉU DEVE RECEBER ATÉ OS TEMPOS DE RESTAURAÇÃO DE TODAS AS COISAS, das quais Deus falou pela boca de Seus santos profetas que foram desde os tempos antigos.”

Pedro aqui distintamente nos diz exatamente quando o Senhor Jesus foi embora e exatamente para onde Ele foi e quanto tempo Ele deve ficar. há. O apóstolo Paulo também respondeu à pergunta de Shailer Mathews em 1 Tessalonicenses 1.9,10, onde lemos: “Pois eles mesmos relatam a nós que maneira de entrar tínhamos para convosco; e como vos desviaste dos ídolos para Deus, para servirmos a um Deus vivo e verdadeiro, e para ESPERAR SEU FILHO DO CÉU, a quem ressuscitou dentre os mortos, sim, a Jesus, que nos livra da ira futura ”. Nos diz, de maneira sincera, que Jesus, ressuscitado dos mortos, deixou esta terra e foi para o céu, e que  um homem verdadeiramente convertido e devidamente instruído está esperando por Ele para voltar. É claro que todos nós sabemos que há um sentido em que Jesus está aqui hoje, que “Ele está aqui espiritualmente”, que Ele prometeu estar conosco pelo Seu Espírito Santo até o fim dos tempos, se formos adiante de acordo com o Seu mandamento e fazer discípulos de todas as nações ( Mateus 28: 18-20 ; cf. João 14: 15-23 ).

Os pré-milenistas insistem tanto nisso quanto nos pós-milenários, ou melhor, do que nos pós-milenaristas; mas a Bíblia faz isso tão claro, que Ele não está aqui da maneira que Ele esteve aqui durante Sua presença corpórea na terra antes de Sua ascensão corporal no Monte das Oliveiras, e da maneira que Ele deve estar aqui novamente quando vier pela segunda vez. A Bíblia deixa claro como o dia em que Jesus se afastou deste mundo, que Ele foi para o Céu, e que Ele deve permanecer no Céu até que o tempo designado venha para Ele voltar novamente. Palavras como aquelas com as quais Shailer Mathews abre seu livro são simplesmente uma tentativa, e uma tentativa fraca e tola, de jogar poeira nos olhos de homens e mulheres irrefletidos. É claro que, se alguém está determinado a não descobrir e aceitar o significado claro da Palavra de Deus, ele pode espiritualizar o sentido claro, “histórico” e pretendido, dessas numerosas passagens que citei; mas ele só pode fazê-lo através de um método de interpretação pelo qual alguém pode também fazer com que a Bíblia signifique algo que ele goste, e pode fazer com que a mentira seja tão aceitável a Deus como verdade, e ganância, cobiça e roubo tão aceitáveis ​​para Deus como abnegação, e adultério tão aceitável a Deus como o santo amor matrimonial. 

Ouça o sistema de interpretação de Shailer Mathews, descrito por  ele mesmo neste mesmo livreto. Ele diz na página 8: “A outra maneira de usar a Bíblia (isto é, a maneira que Shailer Mathews está defendendo neste panfleto), às vezes chamado de histórico, pode ser chamado de senso comum. Os evangélicos que se apegam a ela não estão além de cometer erros por esse método não é sem dificuldades de detalhes, mas eles acreditam na inspiração de profetas e apóstolos pelo espírito de Deus. (Deixe-me chamar a atenção para o fato de que Shailer Mathews soletra “Espírito de Deus” com um pequeno s. Nós pensamos que quando a primeira edição deste panfleto apareceu que isso poderia ter sido um erro tipográfico, mas é repetido nas edições posteriores, e deste e de outros fatos isso é evidentemente intencional). 

Eles sabem que essa inspiração foi progressiva, acumulativa, dependente e adequada a sucessivos períodos de inteligência humana. Evidências os compele a acreditar que  muitas das CRENÇAS DOS PRIMEIROS CRISTÃOS (pelas “crenças dos primeiros cristãos” Shailer Mathews significam os ensinamentos dos apóstolos inspirados, e até mesmo do próprio Senhor Jesus Cristo, embora ele não seja corajoso nem honesto o suficiente para sair e dizer isso, mas todo o seu panfleto mostra inequivocamente que este é o seu significado) só pode ser entendido como eles são estudados à luz dos hábitos de pensamento predominantes em seus tempos. Historicamente os estudiosos da Bíblia distinguem entre as verdades cristãs fundamentais e o método e linguagem usados pelos primeiros cristãos para expressar essas verdades. (O itálico aqui é Shailer Mathews ‘). Eles acreditam que, para realizar essas verdades, AS CONCEPÇÕES DOS HOMENS ANTIGOS DE DEUS PODEM SER TRADUZIDAS EM CONCEPÇÕES MODERNAS exatamente como a língua hebraica ou grega deve ser traduzida para o inglês. ”Shailer Mathews chama o método de interpretação da Bíblia que ele aqui defende, o “método histórico” . Não é absolutamente nada disso. O método “histórico” de interpretação bíblica tem um  sentido claramente definido. O verdadeiro método “histórico” de interpretação É isto que as palavras na Bíblia devem ser interpretadas de acordo com a sua construção gramatical e à luz do uso histórico do dia, e para esse método de interpretação nenhum estudante inteligente da Bíblia tem alguma objeção. Shailer Mathews, entretanto, substituiu por esse método realmente “histórico” um método inteiramente diferente de interpretação, e o chama de método “histórico”, o que não é de todo. Ele também o chama do jeito do senso comum”, mas se alguém olhar para ele por um momento, ele verá que, longe de ser“ o senso comum ”, é um absurdo absoluto. É um método de interpretação quenenhum tradutor fora de um asilo lunático sonharia em se aplicar a Platão, Homero, Virgílio, Horácio ou a qualquer outro livro que não a Bíblia. 

Shailer Mathews diz ainda: “As concepções desses antigos homens de Deus têm que ser traduzidas em concepções modernas exatamente como a língua hebraica ou grega deve ser traduzida para o inglês.” Alguns momentos de consideração mostrarão que essas palavras também de Shailer Mathews é um absurdo absoluto. Traduzindo palavras hebraicas e gregas, e construções gramaticais e expressões idiomáticas em suas palavras, construções e idiomas ingleses exatamente correspondentes é uma coisa, uma coisa razoável e de senso comum, mas traduzindo os PENSAMENTOS da “antiga homens de Deus”, ou qualquer outra pessoa, EM OUTROS PENSAMENTOS totalmente alheios à sua própria e muitas vezes contraditória com os seus próprios, não é tradução de modo algum, e toda essa sentença é simplesmente uma tentativa ridícula de defender a substituição por Shailer Mathews e outros de seus caprichos evolucionários (e revolucionários), pelo que Jesus Cristo e os inspirados apóstolos realmente ensinaram. Qualquer um que pare e pense deve ver que isso não é tradução, é distorção, perversão, substituição e prostituição. 

Shailer Mathews prossegue dizendo: “Assim, a questão é clara. Não é entre aqueles que acreditam na Bíblia e aqueles que não acreditam nela. É entre os modos de usar a Bíblia ”. Essa afirmação é uma falsidade absoluta. A questão é exatamente entre aqueles que acreditam na Bíblia, aqueles que traduzem palavras hebraicas e gregas em inglês equivalente palavras, e creia no que é dito pelos vários escritores da Bíblia, e naqueles que lançam ao mar o que a Bíblia diz, substituindo outra coisa por ela, simplesmente porque não acreditam no que a Bíblia diz. Se um homem deve raciocinar em um tribunal de justiça como Shailer Mathews raciocina nesta passagem, ele seria ridicularizado fora do tribunal. São apenas “teólogos” que recorrem a uma lógica tão absurda. O “modo de usar a Bíblia” que Shailer Mathews aqui defende é o de colocar a Bíblia e o que ela diz completamente de lado e substituindo por seus ensinamentos o que ele acha que é exigido pelo moderno método evolutivo de pensamento. 

Shailer Mathews confessa que, se quisermos levar a Bíblia à sua Como se toma qualquer outro livro do passado ou do presente, “o propagandista pré-milenarista” é “fiel à Bíblia”, mas ele tenta explicá-lo dizendo ao premillenarian que “ele é realmente fiel a um livro ”. maneira imprópria de usar a Bíblia. Sua lealdade à Bíblia equivale a fazer PALAVRAS E CONCEPÇÕES OUTROS OU TEMPORÁRIOS igualmente verdadeiras com o que eles tentam expressar. ”(P. 9). Para isso, diria que não há outra forma de lealdade à Bíblia ou a qualquer outro livro do que levar as “palavras e concepções” a dizer o que dizem, e chamá-las, como Shailer Mathews faz claramente nesta frase, “ PERÍODOS E CONCEPÇÕES DE OUTROS OU TEMPORAIS ”, deve ser Fiel à Bíblia e despejar desprezo na Bíblia, e mostra que, apesar de toda a sua torção e virada, Shailer Mathews descrê da Bíblia e deseja substituir o que a Bíblia ensina, algo inteiramente diferente que ele imagina que a filosofia evolucionária ensina. 

Shailer Mathews deveria ser homem o suficiente para sair e dizer isso, mas ele não é. Como alguém pode ser tão bobo e irracional a ponto de ser cegado por tais palavras falsas como as de Shailer Mathews é mais do que eu posso entender, mas centenas e provavelmente milhares de pregadores na América e muitos missionários no exterior foram cegados por eles. O que o Shailer Mathews aqui chama de “o método histórico de interpretação” é o método infiel, não um método infiel viril e corajoso, mas um método infiel covarde e furtivo. Por qualquer método de interpretação, você pode fazer o Alcorão, ou toda a literatura moralmente podre da índia, cheirando à vileza mais indizível e indescritível, tão valiosa quanto a Bíblia. 

Se Shailer Mathews deseja livrar-se do ensinamento claro e cristalino da Bíblia, como ele, sem dúvida, faz, por que ele não é honesto o suficiente para sair e dizer isso? Por que ele não vem diretamente e diz que a Bíblia é uma confusão de erros e falsidades?  A falta fundamental com Shailer Mathews e toda a sua escola de pensamento é a falta de honestidade intelectual comum e de uma quantidade decente de coragem. Quando ele se refere, como ele faz inconfundivelmente a partir do que ele diz na conexão, aos ensinamentos dos inspirados Apóstolos e do Senhor Jesus Cristo Ele mesmo nunca fala deles como os ensinamentos dos Apóstolos e do Senhor Jesus, mas fala deles repetidas vezes como “as crenças dos primeiros cristãos”. Ele sabia perfeitamente bem que qualquer homem ou mulher que tivesse até mesmo uma quantia mensurável e decente de fé em Jesus Cristo e na Bíblia, ressentiria se ele falasse tão desdenhosamente do que foi claramente exposto como os ensinamentos do próprio Jesus Cristo e dos apóstolos inspirados , por isso ele não chama esses ensinamentos de ensinamentos dos Apóstolos e de Jesus Cristo, mas “as crenças dos primeiros cristãos”. Isso ele faz repetidas vezes, e então continua imediatamente, uma e outra vez, para se referir a coisas que os apóstolos ou o próprio Jesus Cristo ensinou, e muitas vezes ele se refere ao que ambos ensinaram, no ridículo e desprezo. Todo o seu método de argumentação seria indigno de um advogado da corte policial suspeito.

Na página 4, Shailer Mathew diz: “Vamos primeiro olhar para o material bíblico”. Isso soa encorajador, mas no que se segue, nem por um momento ele olha para o material bíblico de maneira específica e honesta, ou com qualquer intenção de aceitar o ensino das Escrituras. Não há uma citação explícita das Escrituras em todo o livro. Toda a tentativa do livreto é desviar a atenção do leitor das coisas que a Bíblia diz explicitamente. Existem indubitavelmente alusões às Escrituras, mas o Dr. Mathews evita escrupulosamente citar as Escrituras, e algumas de suas alusões são caricaturas grosseiras. 

Em uma de suas alusões dadas em conexão direta com suas palavras: “Vamos primeiro olhar para o material da escritura”, de fato as palavras imediatamente a seguir, ele diz, “Os primeiros cristãos acreditavam que Jesus retornaria durante a vida de sua geração. Esta esperança está em quase todas as páginas do Novo Testamento. ”Qualquer um que esteja familiarizado com o Novo Testamento sabe que esta afirmação é uma das asserções mais ousadas e imprudentes já escritas por um homem supostamente sério. Como qualquer homem que desejasse manter a confiança de seus leitores poderia ter se deixado trair em uma declaração tão selvagem e imprudente, é difícil de entender. Há 285 páginas na cópia do Novo Testamento que eu agora segure na minha mão. Alguém acredita por um momento que existem 285 lugares que indicam, ou sugerem, que “os primeiros cristãos acreditavam que Jesus retornaria durante a vida de sua geração?” Tal esperança tão longe de ser encontrada 285 vezes no mundo. O Novo Testamento não é encontrado cem vezes, nem dez vezes, nem há um único exemplo em que se afirme que o Senhor Jesus retornaria durante a vida da geração então viva. É verdade que há algumas passagens no Novo Testamento que alguns comentaristas afirmaram que Jesus Cristo retornaria durante a vida daquela geração, os exemplos mais notáveis, aqueles mais frequentemente apelou para, sendo Matt. 24:34 e 1 Tessalonicenses 4:16 Em Matt. 24:34 nos é dito que nosso Senhor disse: “Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas essas coisas sejam cumpridas”, mostrando que o Senhor Jesus Cristo ensinou que a geração que  vive quando Ele fala não passará até que Sua vinda seja realizada novamente. Mas se alguém estuda esta passagem no contexto, a única maneira de estudar qualquer passagem na Bíblia, ele descobrirá que “por esta geração” nosso Senhor não quis dizer a geração que viveu na terra quando Ele estava aqui, mas a geração que vive quando os sinais de que Ele tinha acabado de falar aconteceram. As palavras são imediatamente após a parábola da figueira, toda a ideia de qual é a rapidez com a qual o verão se aproxima depois que o ramo da figueira se torna tenro e “estende suas folhas”, e prossegue para diz isso estes sinais, dos quais Ele falou nos versos imediatamente anteriores , são os sinais do próximo verão, como o 
galho da figueira tornando-se terno e apresentando folhas, e que, portanto, quando todos esses sinais são vistos, enfatizando especialmente a grande tribulação e o escurecimento do 
sol que se seguirá, então se saberia que o verão de Sua vinda à terra está próximo, e que se 
pode dizer que antes que a geração viva, todas essas coisas serão cumpridas. Toda a compreensão errônea do significado dessas palavras de nosso Senhor Jesus vem 
de um dos mais cruéis métodos de interpretação, o de extrair um verso de seu contexto. É o mesmo pensamento ao qual nosso Senhor Jesus dá voz em Lucas 21:31-33: “Assim também vós, vendo estas coisas acontecerem, sabei que o reino de Deus está próximo. 
Em verdade eu te digo que esta geração (evidentemente a geração então vivendo quando eles virem estas coisas acontecerem”) não passará até que todas as coisas sejam cumpridas. ” 

E é nessa conexão imediata que Ele disse: “Quando essas coisas começarem a acontecer, olhe para cima e levante suas cabeças; porque a sua redenção está próxima. ” A outra passagem mais apelada para aqueles que querem que pensemos que os primeiros cristãos ensinaram que Jesus viria durante a sua vida, é 1 Thess. 4:15-17: “Porque isto vos dizemos pela palavra do Senhor: os que estiverem vivos, que restam à vinda do Senhor, de
modo algum precederão os que por acaso adormeceram. Pois o próprio Senhor descerá do céu com um grito com a voz do arcanjo e com a trombeta de Deus;  e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro; depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles, nas nuvens, ao encontro do Senhor nos ares; e assim estaremos para sempre com o Senhor”.

Sustenta-se que aqui Paulo ensinou que ele seria esteja vivo quando o Senhor vier, pois ele diz: “nós, os que estamos vivos, que restaram”. A isso se diz que Paulo, naturalmente, se inclui com os que então estavam vivos, pois certamente ainda não morrera. e como poderia, por qualquer possibilidade, se colocar com aqueles que já estão mortos? Mas ele nem por um momento afirma que ele ainda estaria vivo no momento em que o Senhor descer do céu. Ele certamente estava vivo quando escreveu. Ele pode ser que neste período de sua vida Paulo esperava estar vivo quando o Senhor veio, mas não estamos preocupados com o que Paulo esperava, ou mesmo pensamento, mas o que Paulo realmente ensinou, e ele certamente não ensina aqui nem em qualquer outro lugar que Jesus retornaria durante sua vida. Nem o Senhor Jesus ensina em qualquer lugar, nem qualquer outro escritor do Novo Testamento ensina. Todo o propósito deste argumento na parte de Shailer Mathews é, obviamente, desacreditar o testemunho do Senhor Jesus e do Apóstolo Paulo, tentando mostrar que eles estavam enganados neste ponto do tempo de seu retorno, e, portanto, pode estar enganado sobre toda a questão; mas a tentativa resulta em fracasso absoluto. Os pré-milenistas não baseiam sua visão sobre o que “os cristãos primitivos acreditavam”, mas sobre o que nosso Senhor Jesus ensinou e o que “os homens santos de Deus” foram ensinados “movidos pelo Espírito Santo”.

Seguindo essa tentativa de desacreditar as Escrituras e os ensinamentos de nosso Senhor, Shailer Mathews diz na página 5: “É difícil enfatizar que o imediatismo desses eventos, cuja expectativa era parte da herança religiosa do primeiros cristãos, era um 
elemento essencial em sua esperança
.” Esta afirmação é absolutamente falsa. A possibilidade de que o Senhor Jesus pudesse vir em breve para que os Seus o tirassem deste mundo antes da grande tribulação era um elemento em sua esperança a fim de mantê-los observando e observando, mas tão longe da “imediaticidade” daquele vindo sendo uma parte essencial de sua esperança, não há nem uma palavra na Bíblia, quando corretamente interpretada em 
relação ao seu contexto, para mostrá-la. É verdade que nosso Senhor Jesus fez, pois Seu próprio e sábio propósito, que é fácil de entender, retém do conhecimento de Seus discípulos todas as informações sobre o tempo de Seu retorno. Houve uma boa razão para isso, na qual não é necessário ir no tempo presente. E como eles não deveriam “conhecer os tempos ou as estações, que o Pai estabeleceu dentro de Seu próprio autor” (Atos 1: 7), era natural que eles esperassem que Ele viesse em sua própria vida, ou durante A vida daquela geração de crentes. Mas o Espírito Santo nunca permitiu que um ÚNICO ESCRITOR DO NOVO TESTAMENTO ENSINAR que Ele retornaria. Portanto, esta tentativa de Shailer Mathews de desacreditar o Novo Testamento cai completamente.

Que “o imediatismo desses eventos” não é “um elemento essencial em sua esperança” é ainda mais evidente pelo fato de que nosso próprio Senhor Jesus falou uma parábola com o propósito expresso de corrigir a ideia equivocada que Seus discípulos tinham naquele tempo ( que foi antes de Pentecostes, quando eles estavam qualificados para serem os escritores infalíveis dos livros da Bíblia), que “o reino de Deus” deveria “ aparecer imediatamente”. Nós lemos: “E como eles ouviram estas coisas, Ele adicionou e falou uma parábola, porque estava perto de Jerusalém e porque supunham que o reino de Deus deveria aparecer imediatamente. Ele disse, portanto, um certo nobre entrou em um país distante, para receber para si um reino e volte. ”(Lucas 19:11,12). Aqui nosso Senhor Jesus, em vez de insistir no imediatismo de Sua vinda, enfatizou o fato de que deve haver um período considerável de intervenção antes que Ele retornasse. De maneira semelhante em Lucas 20: 9 Ele diz: “Um homem plantou uma vinha, e a distribuiu a lavradores, e foi para outro país por um longo tempo”. Em outros parábolas do reino e de Seu retorno, O Senhor ensinou que a Sua vinda, em vez de ser imediata, deveria estar no “fim do mundo (a palavra traduzida“ mundo ” deveria ser traduzida“ idade ”)” ( Mt 13:39 ). E em um de maneira semelhante no versículo 49 do mesmo capítulo Ele ensina que os eventos relacionados com a Sua vinda devem ser “no fim dos tempos”, indicando claramente que idade iria intervir antes de sua segunda vinda. Em Matt. 24:4-8 nosso Senhor Jesus fala de uma longa série de eventos, que levariam muito tempo para o seu desenvolvimento, e diz que mesmo quando esta longa série de eventos acontece, “o fim ainda não chegou!” Em Matt. 28: 19 , 20 e Atos 1: 6-8 nosso Senhor distintamente diz a Seus discípulos que eles deveriam ir e fazer discípulos “de todas as nações” e que eles deveriam ser testemunhas “até os confins da terra”, que certamente levaria um longo tempo, e que mostra conclusivamente que a afirmação de Shailer Mathews de que “imediatismo” “era um elemento essencial em sua esperança” do
retorno do Senhor, é totalmente sem fundamento e exatamente contrário aos fatos do caso.

Para mostrar ainda mais a total falsidade da afirmação de Shailer Mathews de que “imediatismo” “era um elemento essencial em sua esperança (isto é, na esperança e ensino de Cristo e dos Apóstolos)” deve ser cuidadosamente observado que João nos diz claramente que Jesus dissea Pedro, o líder da companhia apostólica, que ele (isto é, o Senhor Jesus) não viria na vida de Pedro, e descreve a Pedro exatamente como ele deveria morrer, e além disso lhe diz que sua morte não deveria veio até que ele era velho, e que, consequentemente, a vinda do Senhor, necessariamente, não poderia ocorrer até que Pedro tivesse envelhecido e morrido ( João 20:18 , 19 ), e mais ainda quando João sabia que alguns inferiram das palavras do Senhor Jesus para ele que João, pelo menos, viveria até a segunda vinda de Cristo, João lhes disse categoricamente que isso era um equívoco total do significado das palavras de Jesus, e que Jesus nunca disse nem sugeriu que Sua vinda seria mesmo na vida do apóstolo João, embora ele sobrevivesse a todos os outros apóstolos. Isso mostra claramente quão completamente infundada, selvagem e imprudente, a declaração de Shailer Mathews de que “os primeiros cristãos acreditavam que Jesus retornaria durante a vida – de sua geração”, e que “essa esperança está em quase todas as páginas do Novo Testamento.”

De qualquer forma, se quisermos desacreditar os ensinamentos de Jesus e dos Apóstolos, como Shailer Mathews tenta laboriosamente fazer nesta passagem e em outros lugares, a questão 
não é o que “os primeiros cristãos” podem ter “crido”, ou “esperado”, mas o que Cristo e os outros autores do ensino do Novo Testamento realmente ensinaram. Se pudesse ser provado que os escritores e oradores do Novo Testamento esperavam e acreditavam que Cristo viria novamente durante sua vida, não minaria, no mínimo, a confiabilidade e confiabilidade do ensino de Jesus Cristo e dos apóstolos inspirados, a menos que pudesse ser mostrado que eles ensinaram que Jesus Cristo viria novamente durante a sua vida. E não só não pode ser mostrado que eles ensinaram que “em quase todas as páginas do Novo Testamento”, mas pode ser mostrado que eles nunca ensinaram em um único exemplo. Declarações precipitadas, selvagens e imprudentes não podem ir mais para reforçar uma causa sem esperança do que Shailer Mathews 
foi no comunicado citado.

Na página 4, sob a mesma cabeça de olhar “para o material bíblico”, Shailer Mathews caricatura da seguinte maneira alguns dos ensinamentos de nosso próprio Senhor Jesus e dos Apóstolos. Ele diz: “Depois do fim daqueles mil anos, esse grupo acreditou que haveria uma luta poderosa entre o Cristo e as forças de Satanás, uma ressurreição geral e um julgamento, quando os espíritos seriam trazidos do Seol, uma grande caverna sob a terra, e levado para o céu, quando eles se encontrariam vivem pessoas que haviam sido “transformados”, ao justo seria dada novos corpos, e, posteriormente, iria viver em felicidade eterna enquanto o ímpio seria enviado de volta para o abismo de fogo preparado para o diabo, seus anjos e os gigantes para 
queimarem para todo o sempre”. Não há necessidade de comentários extensos sobre estas palavras. Nós simplesmente as citamos para mostrar o espírito e temperamento de Shailer Mathews em toda essa discussão. Parece que ele estava aprendendo com o coronel Ingersol.

Na página 5, Shailer Mathews diz: “Toda a expectativa messiânica, na medida em que lidou com o futuro,

não se origina com os cristãos (até agora os itálicos são Shailer Mathews ‘). Como judeus, eles herdaram isso do judaísmo. Para usar apenas um exemplo: A ideia dos mil anos vem da literatura judaica, como o Livro de Enoch, escrito após o encerramento do cânon do Antigo Testamento.

. . . Um estudo de toda a literatura dos judeus de 175 A.C mostrará onde os outros elementos do pré- milenismo se originaram. ”É claro que esta é uma tentativa de desacreditar o pré-milenarismo, e de fato todo o“ messianismo” do Novo Testamento, atribuindo a ele uma origem judaica extra bíblica. Shailer Mathews retorna a essa mesma tentativa na página 17, onde ele diz: “Judeus piedosos escreveram um número considerável de apocalipses que surgiram por volta de 175 aC e continuaram a ser escritos até aproximadamente 100 dC Esses apocalipses constituem uma literatura simbólica e alegórica. Suas figuras de linguagem são precisamente aquelas que os primeiros cristãos do Novo Testamento usavam. Com o passar do tempo, a tendência de literalizar esses figuras de linguagem tornaram-se muito pronunciadas, pois eram usadas por homens não acostumados aos métodos de homens como aqueles que escreveram o Livro de Enoque, o Livro dos Jubileus, a Ascensão de Isaías e outras obras dessa classe. Por fim, os homens chegaram a tomar muito desse simbolismo literalmente. Isso era verdade para alguns dos primeiros cristãos ”. Agora, toda essa implicação de que nosso Senhor Jesus Cristo e os Apóstolos inspirados (a quem Shailer Mathews não nomeia especificamente, mas fala apenas como “alguns dos primeiros cristãos”, mas em toda a sua folheto, suas referências aos ensinamentos que ele está procurando desacreditar como sendo de origem judaica extra-bíblica, são sugeridas pelos ensinamentos muito explícitos de Cristo e os Apóstolos) derivaram seus ensinamentos da literatura apocalíptica judaica, a literatura apocalíptica é totalmente falsa. Quer isso resulte de uma ignorância colossal ou de um 
desejo intencional de deturpar, não diremos, apesar de sermos relutantes em suspeitar de Shailer Mathews do último. Em qualquer caso, a implicação é absolutamente falsa e totalmente contrária aos fatos do caso, e se Shailer Mathews tivesse um conhecimento profundo desta literatura apocalíptica a que ele se refere, e também dos profetas do Velho Testamento, e a relação do Novo Testamento. ensinando aos profetas do Antigo Testamento, e se ao mesmo tempo ele fosse um homem completamente honesto,ele nunca teria se entregado a tais insinuações. Esta representação da origem do ensino pré-milenista no Novo Testamento é facilmente provada como sendo falsa. Algumas coisas no Livro de Enoch, e possivelmente algumas coisas em alguns dos outros escritos apocalípticos (dos quais pelo maneira não havia tal número como Shailer Mathews implica) pode ter alguma semelhança com algumas das coisas ditas por nosso Senhor Jesus Cristo e os apóstolos nos escritos do Novo Testamento , mas é raciocínio muito superficial que salta à conclusão de que, portanto, Cristo e os apóstolos os derivaram dos “apocalipses que surgiram por volta de 175 aC e continuaram dentro de aproximadamente até aproximadamente 100 dC”.

A explicação muito evidente de quaisquer semelhanças que possam ser descobertas é que os escritores desses apocalipses estavam saturados com concepções e fraseologia do Velho Testamento (A Enciclopédia Bíblica Padrão Internacional, o livro mais confiável do personagem que existe, na página 164, falando desses escritos apocalípticos aos quais Shailer Mathews se refere, diz: “Todos estes levam o Livro de Daniel como modelo”), e Cristo e os Apóstolos também estavam saturados com concepções e fraseologia do Antigo Testamento, e, portanto, não havia, semelhantemente, algumas semelhanças de concepção e fraseologia entre os ensinamentos de Cristo e os apóstolos e os desses escritos apocalípticos. Que qualquer um tome as palavras de nosso Senhor Jesus e do Livro do Apocalipse e outras profecias do Novo Testamento, e consulte um bom livro de referências do Antigo Testamento (por exemplo, O Tesouro do Conhecimento das Escrituras), e elas logo irão descubrir que uma parte muito grande do que Jesus disse, e o que os Apóstolos escreveram, e especialmente do que está contido na revelação, é ou citação verbal ou clara alusão às declarações proféticas do Antigo Testamento (por exemplo, cf. Ezequiel , capítulo 1 com Apocalipse, capítulos 4 e 5, Ezequiel 3: 3 com Apocalipse 10:10 , Ezequiel 8: 3 com Apocalipse 13:14 , 15 , Ezequiel 9 com Apocalipse 
7 e Ezequiel 10 com Apocalipse 8: 1-5 ).  Jesus Cristo e os apóstolos foram inegavelmente saturados com as concepções e fraseologia do Antigo Testamento Os profetas e seus ensinamentos eram em grande parte derivados ou, pelo menos, construídos sobre seus ensinamentos. Mas não em um único exemplo foram seus ensinamentos construídos  sobre o ensino dos escritores apocalípticos extra-bíblicos a quem Shailer Mathews os atribui. 

A afirmação de ShailerMathews não é apenas absolutamente falsa, mas revela uma grande ignorância do ensino do Antigo Testamento. Nós cordialmente admitimos que muito da “expectativa messiânica, na medida em que lidou com o futuro, não se originou com os cristãos”, mas, por outro lado, certamente não se originou, como Shailer Mathews afirma com calúnia, com o apocalíptico judaico. literatura que surgiu de 175 aC a 100 dC Originou-se com aqueles homens que “falaram de Deus, sendo movidos pelo Espírito Santo” (2 Pe 1: 21), os profetas do Antigo Testamento, Isaías, Jeremias, Ezequiel, Daniel e outras. Isto é, originou-se com Deus, o Espírito Santo. Neste sentido, o ensinamento de Jesus Cristo e dos Apóstolos em relação à segunda vinda de Cristo é de origem judaica, isto é, veio da Antiga Testa judaica. Escrituras, que foram dadas por inspiração de Deus. Mas isso é algo contra isso? Como acabamos de ver essas “idéias judaicas” foram dadas por inspiração de Deus (veja 2 Pe 1:21; 2 Tm 3:16, 17). Jesus Cristo era “de origem judaica”. Devemos, portanto, entregá-lo e aceitar Shailer Mathews, que é de boa e velha estirpe da Nova Inglaterra, e estudou em um Colégio Americano (Colby), e um Instituto Teológico Americano (Newton), e uma Universidade Alemã (Berlim), em Sua Lugar, colocar? Sim, neste sentido a doutrina pré-milenar é de origem judaica, e pela palavra de nosso próprio Senhor Jesus Cristo, “a salvação é dos judeus” (grego, “dos judeus”), ou seja, de origem judaica (João 4 : 22). Shailer Mathews, em sua tentativa determinada de desacreditar os ensinamentos de nosso Senhor Jesus Cristo e dos Apóstolos Inspirados, diz na página 6: “O premilenário diz que essas crenças (isto é, como aparece na próxima sentença) ,“ a crença dos primeiros cristãos ”) devem ser usados ​​como ensinamentos infalíveis. O que quer que o Novo Testamento registre como tendo sido a crença dos primeiros cristãos, ele considera o ensino da Bíblia ”. Essa afirmação também é absolutamente falsa. Nós desafiamos Shailer Mathews a mostrar qualquer lugar em que um pré-milenar respeitável diga ou sugira que “o que quer que o Novo Testamento registre como sendo a crença dos primeiros cristãos” seja considerado ensino infalível ou o ensino da Bíblia. 

Shailer Mathews teria cristãos que ensinassem o bolchevismo? Por que os pré-milenistas, para serem coerentes, “insistem” neles (como Shailer Mathews os caracteriza) “elementos das crenças do Novo Testamento” quando não são “elementos das crenças do Novo Testamento?” Ele prossegue dizendo: “Eles (ou seja, pré-milenistas) têm que recorrer a todo tipo de interpretação engenhosa e injustificada dos textos para justificar esse mau uso das escrituras”. Isso também está além de uma questão de falsidade. Se há alguém que “recorra a interpretações engenhosas e injustificadas dos textos para justificar o uso indevido das escrituras”, não são os pré-milenaristas, mas os pós-milenaristas. Deste fato, o próprio Shailer Mathews é uma ilustração notável neste mesmo panfleto em que, como já vimos, ele está tão convencido de que suas visões não podem ser mantidas tomando as Escrituras pelo seu valor aparente e em seu significado evidente, que ele diz em tantas palavras que “a concepção desses antigos homens de Deus tem que ser traduzida em concepções modernas”. Isto é, para o que o Senhor Jesus Cristo e os Apóstolos dizem, algo mais deve ser substituído, o que é exatamente o oposto do que eles dizem. Pode a “interpretação engenhosa e injustificada dos textos” ir além disso? Shailer Mathews conclui este parágrafo dizendo: “O método deles (isto é, os pré-milenaristas) é mais irresponsável do que aquele que tenta provar que Bacon escreveu as peças de Shakespeare.” Essa declaração também é uma falsidade, tão palpavelmente falsa que tudo o que precisamos fazer é citá-la.

Não é a escola pré-milenista de críticos literários e intérpretes que tentam provar por métodos “mais irresponsáveis ​​do que aquilo que tenta provar que Bacon escreveu as peças de Shakespeare”, que os livros da Bíblia não foram escritos pelos homens cujos nomes mantiveram por tantos séculos , mas a própria escola da qual Shailer Mathews é um dos principais defensores. 

Não nos lembramos de ter lido um livro, mesmo pelo mais infiel, que foi mais evidentemente, notoriamente, deliberadamente, intencionalmente injusto do que este livreto de Shailer Mathews. Deste fato, temos evidências suficientes nas frases citadas. Vamos acrescentar antes de passar que o Novo Testamento não registra meramente “a concepção dos cristãos primitivos ”, é um registro totalmente confiável do que o Senhor Jesus Cristo ensinou e o que“ foi confirmado para nós por aqueles que ouviram (ou seja, os Apóstolos); Deus também testificou com eles, por sinais e prodígios, e por múltiplos poderes, e por dons do Espírito Santo, 
segundo a Sua vontade ”( Hb 2: 3 , 4 ). No Novo Testamento, Deus nos deu como fundamento para nossa fé e prática, o ensinamento de Seu Filho, nosso Senhor Jesus Cristo e dos Apóstolos, a quem o próprio Senhor Jesus Cristo disse: “Estas coisas vos falei enquanto ainda permanecendo com você. Mas o Consolador, até o O Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome, fará lembrar de tudo o que eu te disse ” ( João 14:25 , 26 ). E novamente: “Eu ainda tenho muitas coisas para dizer a você, mas você não pode suportá-las agora. Mas quando vier o Espírito da verdade, ele te guiará em toda a verdade, porque não falará de si mesmo; mas as coisas que ouvirdes, estas, que Ele falará: e Ele vos declarará as coisas que estão para vir ” 

Agora, que devemos aceitar, as coisas que a pessoa que Deus acreditou ser um professor enviado de Deus, que falou as próprias palavras de Deus, levantando-O dentre os 
mortos, ensinados, e que os apóstolos, que o mesmo Senhor Jesus disse, seriam guiados para toda a verdade pelo Espírito da verdade, que lhes declararia as coisas futuras, ensinadas, ou o que Shailer Mathews está muito confiante é o resultado assegurado da investigação científica moderna e da especulação filosófica? Estas declarações gravadas do O Senhor Jesus Cristo, encontrado no Novo Testamento, nos é dado por testemunhas completamente competentes, que tinham o direito de reivindicar, como um deles afirma em tantas palavras, que haviam “traçado o curso de todas as coisas com exatidão desde o princípio, ”E escreveu as coisas que eles haviam traçado a fim de que aqueles que leram o registro“ pudessem conhecer a certeza sobre as coisas em que foram instruídos ”( Lucas 1: 3 , 4 ), e a exatidão de quem se recolhem Jesus Cristo garantido dizendo: “O Consolador, mesmo o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome, Ele te ensinará todas as coisas e trará para sua lembrança tudo o que eu disse a você.

E Shailer, Mathews expõe esse desafio, que é outra ilustração surpreendente de sua ignorância da literatura pré-milenarista: ele diz: “Nós desafiamos qualquer pré- milenarista a citar o dia (isto é, o dia do retorno de nosso Senhor ), e então espere até aquele dia, confiante de que ele está errado. ”É claro que nenhum pré-milenarista inteligente tentará“ nomear o dia ”; pois os pré-milenaristas, como qualquer pós-milenarista, afirmam que o Senhor Jesus Cristo nos termos mais estritos e severos nos proibiu até mesmo de tentar descobrir a data exata de Seu retorno, que o Senhor Jesus Cristo disse: “Não é para você conhecer os tempos ou as estações, que o Pai estabeleceu dentro de si. Sua própria autoridade ”Ninguém contesta mais fervorosamente contra toda essa loucura do estabelecimento de datas do que os principais 
pré-milenistas. O autor do presente trecho disse, repetidamente em discurso público e em página impressa, que qualquer tentativa de estabelecer uma data para o retorno de nosso Senhor, ou qualquer evento relacionado com isso é presunção mais ousada e um ato de desobediência grosseira à vontade revelada de Deus. 

Em seu livro “O que a Bíblia ensina”, publicado em 1898, ele diz: “O tempo exato da vinda de Jesus Cristo não nos é revelado”. “Cálculos dos dados em Daniel, pelos quais alguns tentam consertar A data exata do retorno de Cristo não é totalmente confiável. Eles tentam o impossível. As declarações não tinham a intenção de nos dar uma pista para a data exata do retorno de Cristo. Faz parte do propósito e método de Deus lidar com os homens para mantê-los na incerteza sobre este ponto. ”“ Qualquer professor, que as tentativas de fixar a data do retorno de Cristo são ao mesmo tempo desacreditadas, e é totalmente desnecessário passar por 
seus cálculos. Deus não deseja que saibamos quando o Seu Filho voltará ”(O que a Bíblia ensina, páginas 216,217). Essa tentativa da parte de Shailer Mathews de identificar o 
pré-milenarismo com o estabelecimento de data é outra ilustração da 
injustiça grosseira, escandalosa, deliberada e ultrajante de Shailer Mathews em sua discussão do assunto como um todo.

Na página 10, Shailer Mathews diz: “Os premilenistas sentem falta do espírito ao enfatizar a letra. Ao fazer uma crença judaística equivocada, eles distorcem o cristianismo. Essa distorção é caracterizada por quatro elementos principais. Primeiro, a interpretação pré-milenarista do evangelho nega que Deus seja capaz de realizar Sua vitória por meios espirituais. “Este é um dos pontos principais, se não o ponto principal no ataque de Shailer Mathews ao premillenarismo. À primeira vista Para o pensador superficial, pode parecer haver algo nesse argumento de Shailer Mathews, mas se qualquer um de inteligência e habilidade mediana e conhecimento histórico pararem para refletir sobre ele, ele verá que isso é absurdo. E tanto a experiência quanto a Bíblia, de que Deus sempre usou meios materiais, “force”, se quiser, “para trazer a Sua vitória”, a vitória da justiça. Como Deus está ensinando o Kaiser e os alemães (e através deles todos que cultivariam um espírito de condenável, assassino e auto-engrandecimento?), uma lição extremamente necessária?

É “por meios (puramente) espirituais?” Não é por “força”, as forças militares da América e nossos aliados? E fazendo isso, é Deus “revertendo para a brutalidade física?”Shailer 
Mathews ou qualquer outra pessoa que afirma, ou implica, é um blasfemo. Isso é discurso claro e severo, mas é um fato inescapável. Para ser consistente, Shailer Mathews deveria ser um pacifista extremo e exigir que os Estados Unidos se lembrassem de seus soldados, destruíssem suas armas e munição e levassem os alemães ao arrependimento e a um tratamento justo e humano de nações mais fracas e mulheres e crianças ultrajadas “por meios espirituais / ‘Por que Shailer Mathews, se ele acredita no que ele aqui implica, aceito para 1917-1918 a posição de “Secretário de Estado para a Economia de Guerra de Illinois?” Por que ele deixou o “meio espiritual” de ensinar a arrecadar dinheiro para armar, sustentar e sustentar nossas forças “brutais” no campo para trazer o Kaiser e a Alemanha para os seus sentidos? . Felizmente, Shailer Mathews não acredita em uma palavra do absurdo que ele 
escreve, e faz o argumento muito central de seu panfleto, a fim de reforçar uma causa ruim. Por uma questão de fato histórico, Deus não está realizando os propósitos de Seu amor, e não os realizou através de toda a história da humanidade, pelo uso inteligente e amoroso da “força”? Se as palavras de Shailer Mathews fossem cumpridas parasua conclusão lógica significaria que devemos dispensar todo o uso da força para punir os ofensores contra a justiça. Ele chama o recurso de Deus à força para trazer Seus propósitos amorosos, “brutalidade física”, suas palavras exatas são: “Para ter sucesso, ele tem que voltar à 
brutalidade física ”. E ele continua dizendo que, ao reverter para forçar Deus “ abandona a moralidade e usa o miliarismo milagroso . Ele se volta para o fogo e para as forças destrutivas da natureza impermanente ”. Essas não são apenas palavras irracionais, são palavras blasfemas à luz da história, bem como à luz do ensino da Palavra de Deus. O argumento de Shailer Mathews além disso, se houvesse algo nele, faça com que seja uma confissão de derrota da parte de Deus até punir o pecado pela força física, por qualquer uso das “forças destrutivas da natureza impessoal” para trazer o homem aos seus sentidos. 

O argumento de Shailer Mathews, levado à sua questão lógica, mina não apenas a doutrina bíblica do pré-milenarismo, mas toda a doutrina bíblica de retribuição futura, ou  qualquer doutrina de retribuição. Para usar Shailer Mathews ‘ próprias palavras, para usar as ‘forças destrutivas do impessoal natureza’ para punir o pecado seria a ‘abandonar moralidade e usar o militarismo milagroso.’ Para assim razão ao presente momento seria muito eficaz propaganda pró-alemão e que seria a qualquer momento a mais pura tolice. Sem nem mesmo reverter a doutrina que o próprio Senhor Jesus claramente ensina sobre como Deus punirá o pecado no aqui-a- tarde, todos nós sabemos que Deus usa todos os dias “ forças destrutivas da natureza impessoal”, doença física e dor, “Punir o pecado” e qualquer um que acusa Deus de “abandonar a moralidade” ao fazer isso pode ser um professor teológico, mas ele também é um blasfemo. 

Nessa mesma conexão, Shailer Mathews faz caricaturas deliberadas, não apenas pré-milenialismo, mas explicita o ensino bíblico para considerá-lo desprezo. Ele diz: “Ele (isto é, Deus) se transforma em fogo e forças destrutivas de natureza impessoal. Certas pessoas serão resgatadas e levadas para o céu, mas a terra deve ser incendiada, as pessoas deixadas nela devem ser mortas, e depois disso os santos devem reinar. Assim, a força é método final pelo qual Deus reina. ”Não é necessário para a ajuda de qualquer um que tenha algum conhecimento considerável da Bíblia, para dizer que estes escárnios são evidentemente destinados a ensinamentos muito explícitos de nosso Senhor Jesus Cristo e do Apóstolo Paulo e outros que são aqui caricaturados de uma forma que seriam dignos do Coronel Ingersol, ou qualquer um dos tipos mais grosseiros de infiel escarnecedores.

Na página 11, Shailer Mathews diz: “Muitos pré-milaristas, portanto, agradecem a Deus pelo fato de o mundo estar piorando”. Essa afirmação é uma evidente falsidade e uma calúnia grosseira. É verdade que os pré-milenistas inteligentes, quando vêem o triunfo da iniquidade que tem sido tão aparente nos últimos quatro anos, não são jogados no abismo do desespero e do pessimismo que muitos pós-milenistas foram lançados. É verdade que nessas coisas eles viram as coisas preditas como precedendo a volta de nosso Senhor Jesus Cristo e, portanto, em vez de ficarem desanimadas quando viram, “na terra angústia de nações, em perplexidade pelo rugido do mar e as ondas; homens que desmaiam de medo, e por expectativas das 
coisas que estão vindo sobre o mundo / eles fazem exatamente o que o Senhor Jesus Cristo nos ordenou fazer sob tais circunstâncias, a saber: “Levantai as nossas cabeças; porque a nossa redenção está próxima. ”Eles não se alegram com estas coisas; eles veem e sentem o horror deles; eles fazem o que podem para aliviá-los, mas eles não são desencorajados por eles, porque o próprio Senhor Jesus Cristo predisse estas coisas, e a sua vinda é simplesmente uma garantia adicional da veracidade absoluta da Palavra de Deus. Além disso, na crescente escuridão da noite, eles vêem a indicação que o glorioso dia está próximo. Shailer Mathews pergunta na sentença seguinte a que acabamos de citar: “O que é isso senão alegria na derrota espiritual de Deus?” A alegria do premilelemão não é a alegria na derrota espiritual de Deus ”, mas é alegria no absoluto. certeza da Palavra de Deus e na confirmação da própria afirmação de Jesus Cristo feita em conexão com Suas predições a respeito de Sua própria segunda vinda, que embora “o céu e a terra passem, minha palavra não passará” ( Mateus 24:35). ), e alegria na indicação da breve vinda do completo triunfo de Deus naquele glorioso dia em que nosso Senhor Jesus Cristo o ego voltará de acordo com a sua própria pronúncia, e endireitará as coisas que os homens em seu orgulho e pecado tornaram tortos. 

Shailer Mathews prossegue dizendo: “Esse tipo de pessimismo é indigno de um homem cristão.” Isto está simplesmente trazendo de volta a acusação repetida de pessimismo contra os pré-milenistas, mas os pré-milenistas, longe de serem pessimistas, são otimistas dos otimistas. 

Mesmo quando os dias se tornam mais escuros, como o próprio Shailer Mathews acaba de sugerir, seus corações permanecem leves, pois sabem, pelas promessas da Palavra de Deus a respeito da segunda vinda de Cristo, que quanto mais escura a noite se aproxima O dia é. O premillenarian é uma ótima não se limita deliberadamente a fechar os olhos aos fatos inegáveis da confusão atual na política, vida comercial, vida social e vida nacional e relações internacionais, ele é otimista porque está de olhos abertos para as gloriosas promessas da Palavra de Deus, que todas essas coisas são simplesmente precursores de longe o dia mais brilhante de toda a história deste mundo.

O segundo argumento de Shailer Mathews contra o pré-milenismo é: “Tal uso da Escritura (o uso da Escritura pelos pré-leninistas) leva à negação da aplicação do evangelho às forças sociais! ‘ Esta afirmação é outra acusação falsa. Gostaríamos de saber se Shailer Mathews ou qualquer outro pós-milenarista fez mais nos tempos modernos para aplicar o evangelho às forças sociais do que, por exemplo, DL Moody, que era um pré-milenista declarado e consistente, ou Billy Sunday, que em todos os seus reuniões nos últimos anos pregaram pelo menos um sermão do tipo mais pré-milenarista. Seria fácil mencionar muitos outros pré-milenaristas proeminentes que realizaram grandes feitos na “aplicação do evangelho”. às forças sociais ”. É verdade que os pré-milenistas não se entregam à vã esperança de evangelizar as organizações sociais sem regenerar o indivíduo. É verdade que o pré-milenar, como regra, procura alcançar as forças sociais alcançando indivíduos com a verdade salvadora do evangelho que nosso Senhor Jesus Cristo ensinou, mas afirmar que o premillenarista nega a aplicação do evangelho às forças sociais é calar aqueles olhos para o que os pré-milenistas nesta e em todas as outras terras estão fazendo por um verdadeiro e permanente soerguimento social . Mas os pré-milenistas não são culpados da loucura de tentar “regenerar as instituições da humanidade e as forças que estão fazendo história “de qualquer outra forma que não pela regeneração dos indivíduos que” incorporam essas forças sociais “.

Na página 12, Shailer Mathews diz: “A esperança da vinda de Cristo não é para uma renovação moral, mas para o triunfo da força física.” Isto é uma ilustração da ignorância grosseira de Shailer Mathews sobre o ensino pré-milenista, ou é uma ilustração? de sua deliberada deturpação? Nós confessar que não sabemos, mas qualquer um que esteja familiarizado com a literatura premillennial sabe que no seu ensino “a esperança da vinda de Cristo” é o fim da maioria indo “renovação moral” maravilhosa e completa que o mundo já visto. Em prova disso, o escritor pode perdoado por referir qualquer leitor ao seu próprio livro sobre “O Retorno do Senhor Jesus”, especialmente aquela parte do livro que tem a ver com os Resultados do Retorno do Senhor Jesus.

Outra carga que o Shailer Mathews traz contra os pré-milenaristas é:

Em quarto lugar, os pré-milenistas negam que o cristianismo é consistente com as descobertas da ciência moderna, particularmente no que diz respeito à evolução! Shailer Mathews aqui revela uma das grandes razões por que ele é tão extremamente amargo contra os 
pré-milenistas, e tão ansioso, por qualquer tipo de distorção, para desacreditá-los, porque ele é obcecado pela idéia de que aquela forma evolucionária A hipótese que ele sustenta é a soma de toda a sabedoria e, ao mesmo tempo, é inconsistente com o ensino pré-milenista. É preciso apenas dizer que a forma de hipótese evolucionista que Shailer Mathews aparentemente afirma não é “um achado da ciência moderna”. A hipótese evolutiva que evidencia dentemente a partir deste panfleto é realizada por Shailer Mathews é não uma descoberta da ciência moderna, é a filosofia especulativa e não em qualquer uso adequado da palavra “ciência”. Shailer Mathews, na frase seguinte, continua a dizer: “Muitos de essas negações mostram que os escritores não sabem nada sobre a evolução ou o mundo da ciência. ”Perguntamos como ele lê o que Shailer Mathews diz, se ele realmente tem algum conhecimento da doutrina da evolução que é realizada hoje por muitos dos principais cientistas como distintos da doutrina desacreditada e rejeitada e, portanto, rejeitada da evolução, que foi amplamente aceita pelos cientistas vinte anos atrás. Shailer Mathews continua: “Tal O ataque à ciência moderna é exigido pelo princípio central do pré-milenarismo ”. É suficiente responder que alguns pré-milenistas, sem dúvida, atacam o que muitos da escola de Shailer Mathews têm o prazer de chamar de “ciência moderna ”, mas o que não é certo a palavra “ciência” em tudo, mas várias hipóteses que não têm um único fato cientificamente observado sobre o qual construir como sobre um fundamento sólido, e certamente nenhum ataque sobre o que é realmente “ciência” é exigido pelo princípio central, ou qualquer outro princípio do pré-milenarismo. Esta é simplesmente uma afirmação infundada na parte de Shailer Mathews.

Se puder ser demonstrado que é impossível sustentar qualquer ponto de vista claramente ensinado no Novo Testamento e, ao mesmo tempo, manter qualquer teoria da evolução, não demoraria muito para que o escritor do presente trato decidisse se devia ou não respeitar ensinos de um livro sobre o qual ele tem uma prova irrefutável de que é a Palavra de Deus (ver livro de escritores , “A Bíblia e Seu Cristo”), ou aceitar uma hipótese científica que nenhum 
pensador cuidadoso e preciso e realmente científico diz ser provado. Todos os escritores realmente científicos, embora sejam evolucionistas ardentes, admitem, assim como 
Thomas Huxley, um dos evolucionistas mais entusiastas que o mundo científico já produziu, admitiu que a hipótese evolucionista é e “sempre deve permanecer” na melhor das hipóteses “apenas hipótese”. Mas a Bíblia tem sido provada como sendo a Palavra de Deus, então ficaríamos ao lado da Bíblia, mesmo se tivéssemos que desistir da “evolução” em qualquer e todas as formas para fazer isso. O problema é que Shailer Mathews, como muitos outros teólogos, que via de regra sabem muito pouco sobre a ciência moderna, é obcecado pela 
hipótese evolucionista e faz disso o teste de toda doutrina, científica, filosófica, teológica ou literária. 

Naturalmente, isso é uma completa deserção do método científico moderno e uma reversão ao antigo método a priori de raciocínio da idade das trevas antes de Bacon. Ao longo da mesma linha Shailer Mathews diz que o pré-milenarismo “faz uma clivagem entre o que o pré-milenarista considera a religião cristã e a cultura real. Os homens devem escolher entre o cristianismo e a ciência. ”Mas o pré-milenarismo não faz divisão entre a“ religião cristã e a cultura real”. O que Shailer Mathews chama de“ cultura real ”não é cultura real, é muito falsa e ignorante. apenas a chamada “cultura”, muito parecida com a Kultur que Shailer Mathews absorveu quando estudava na Universidade de Berlim. Os homens não têm que escolher entre a forma do cristianismo representada por aqueles que sustentam que a Bíblia, como qualquer outro livro, deve ser tomada em sua valor facial, “e ciência”. A escolha é entre um cristianismo honesto, franco e aberto, e o que finge ser “ciência “ mas na realidade está totalmente fora de harmonia com os métodos científicos modernos. É divertido ver o modo como os pós-milenaristas, como os críticos destrutivos, assumem tranquilamente. que toda a erudição é com eles mesmos. É claro que a alegação é totalmente falsa e resulta da ignorância grosseira ou da mentira deliberada, às vezes de uma, às vezes da outra.

Na página 18, Shailer Mathews diz: “Uma comparação dos evangelhos mostra que eles até mesmo leram algumas dessas formas de expressão (isto é, as formas de expressão extraídas 
da literatura apocalíptica judaica de 175 aC em diante)  nos ditos do próprio Jesus. Essa afirmação é uma falsidade absoluta. “Uma comparação dos evangelhos” não mostra nada do tipo. Qualquer um que tomar os quatro evangelhos, estudá-los e compará-los com uma mente imparcial, sem preconceito ou contra a sua veracidade, será forçado a reconhecer que a vida aqui registrada foi uma vida realmente vivida aqui na terra, e não um mero romance, e também será forçado a admitir que a total das acusações aqui atribuídas a Jesus não poderiam ter sido inventadas por outros e colocadas em Sua boca. A tentativa que foi realizada com tanta persistência desde a época em que David Strauss publicou sua Leben Jesu em 1833 até os dias atuais, para reconstruir a vida de Jesus e deixar de fora o elemento miraculoso e eliminar a parte de Seus ensinamentos que o escritores não quiseram aceitar e manter a parte que eles desejavam aceitar, resultou em colapso total e fracasso. 

E qualquer teoria como Shailer Mathews dá voz aqui, que os muitos ditos de nosso Senhor Jesus que claramente ensinam um retorno pessoal e visível do Senhor e Seu retorno pré-milenar, foram uma leitura parte de trás das idéias e formas de expressão aprendidas de outras fontes nas palavras do próprio Jesus, se aceitas, desacreditaria cada ditado Seu que está registrado no Novo Testamento. Se estas coisas que o Novo Testamento diz que Jesus Cristo ensinou não foram ensinadas por Ele, mas simplesmente atribuídas a Ele, então as outras palavras atribuídas a Ele podem não ter sido proferidas por Ele, mas meramente atribuídas a Ele, e ficamos sem a menor ideia do que Jesus Cristo realmente disse. Nós não temos nenhum Senhor Jesus.

Não há Cristo senão o Cristo das Escrituras; qualquer outro Cristo é uma mera invenção da imaginação individual. Se aceitarmos essa teoria de Shailer Mathews, então ele e sua escola de pensamento levaram o nosso Senhor, e não sabemos onde eles O colocaram. Se Shailer Mathews está certo nesta declaração, ele cortou as próprias fundações de seu próprio seminário teológico, ou qualquer outro seminário teológico, e ele deveria com toda a honestidade e auto-respeito renunciar a sua posição e salário e encontrar alguma maneira honesta de ganhar a vida. Não é preciso dizer que ele não está certo nessa posição, sua posição é absolutamente absurda e insustentável. No imediatamente orando frases que acabaram de citar Shailer Mathews diz: “Eles pensavam como judeus, assim como falavam como judeus”. Essa afirmação é outra falsidade. Eles pensavam como homens inspirados por Deus, como homens a quem o próprio Senhor Jesus Cristo havia dito: “Mas o Consolador, o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome, Ele lhes ensinará todas as coisas e trará sua recordação. tudo o que eu disse a você! Um estudo completo de suas palavras, e uma comparação com as palavras de todos os outros já proferidas, e um estudo completo das palavras que eles atribuíram a Jesus, provarão a qualquer homem que realmente queira conhecer e obedecer a verdade, que eles falaram verdade e falou como homens inspirado por Deus e não meramente “como judeus”.

Na próxima sentença, Shailer Mathews diz: “A questão importante não é o que eles disseram, mas o que eles queriam dizer com o que disseram. ” Esta declaração pode parecer sábia, mas na realidade é consumada loucura. A única maneira possível de dizer o que um homem quis dizer com o que ele disse foi o que ele disse. 

O pensamento é transmitido por palavras, e especialmente é verdade para os homens que tinham o direito de reivindicar que o que eles falavam eles falavam (não em palavras que a sabedoria do homem ensina, mas que o Espírito ensina ”( 1Co 2:13 ). “Eles quiseram dizer o que disseram” apenas “o que eles disseram.” Os ex-promulgadores da posição que Shailer Mathews detém sustentou que o “conceito foi inspirado”, mas as “palavras não foram inspiradas”, mas Shailer Mathews vai além disso e nos diz que suas concepções estavam erradas assim como suas palavras, e que “as concepções (não meramente palavras) desses antigos homens de Deus têm que ser traduzidos em concepções modernas exatamente como a língua hebraica ou grega tem que ser traduzida para o inglês. ”(p. 9). Aqui encontramos uma forma comparativamente leve de loucura literária que se transformou em loucura literária.

Não há necessidade de prosseguir com essa crítica do panfleto amplamente divulgado de Shailer Mathews. Vemos que é uma massa contínua de argumentos ilógicos, representações grosseiras, falsidades demonstráveis ​​e blasfêmias classificatórias . O panfleto em si é um cumprimento das próprias Escrituras que procura desacreditar. 

O apóstolo Pedro, inspirado por Deus, previu o trabalho de Shailer Mathews e sua classe, e o descreveu claramente quando disse: “Esta é agora, amada, a segunda epístola que vos escrevo; e em ambos eu agito sua mente sincera, lembrando-a; para que se lembrem das palavras que foram proferidas antes pelos santos profetas, e o mandamento do Senhor e Salvador por meio de seus apóstolos: sabendo primeiro disto, que nos últimos dias os escarnecedores virão com escárnio, andando atrás de sua própria concupiscência, e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? Porque desde o dia em que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação. ”( 2 Ped. 3: 1-4 ).


Fonte: https://www.preteristarchive.com/1918_torrey_will-christ-come-again/